quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

E lá se foi 2010!

Esse ano de 2010 foi uma caixa de surpresas. Novidades na vida profissional; novas amizades que vêm se mostrando verdadeiras e queridas; consolidação de sentimentos, coisas boas e boas e boas.

Eu vinha há tempos buscando a minha independência profisisonal após um longo período somente no papel (maravilhoso diga-se de passagem) de mãe, esposa e dona de casa; mas eu tenhoq ue dizer, foi muito dificil pra mim estar longe do meu trabalho, minhas atribuições e responsabilidades.

Eu comecei a mudança ainda lá em 2009, com a oportunidade na agência de viagens; eis que aos poucos fui realmente me acomodando com a situação e deixei meio que de lado a minha real profissião: EU SOU ASSISTENTE SOCIAL!

Num post que eu já contei am algum lugar por aqui rs, eu falo como foi esse meu retorno à minha profissão, minhas atribuições, meu lugar.

Independente da questão profissional vieram também realizações pessoais. Meu marido que há tempos vinha batalhando por "um lugar ao Sol", hoje conseguiu. Passamos a ter um pouco mais de estabilidade, um poder aquisitico maior que nos proporcionou coisas bacanas.

Voltei a me comunicar com amigos que já não via há um tempo; consolidei amizades, fiquei mais unida das minhas primas, enfim, tudo na mais perfeita paz e ordem.

A maior novidade de 2010 na minha opinião foi a minha manifestação em querer ser mãe novamente sabe-lá quando. COmecei a pensar, a organizar as idéias e vi que tenho vocação sim: pra mãe, esposa, trabalhadora, dona de casa, ou seja, multi mulher como tantas outras pelo mundão afora!

Pra fechar 2010 com chave de ouro, são as novas possbilidades de desbravamento, de conhecimento que eu gostaria de traduzir em miúdos, mas como não diz respeito somente a mim, resolvi guardar a língua no bocão e deixar pra 2011 quando eu já tiver certeza absoluta.

Resoluções pra 2011: SER FELIZ SEMPRE! Ah, quero comprar um carrinho tb rsrs...

Desejo a todos vocês um ano rico de propseridade, saúde, amor, paz e muita alegria e serenidade.

Happy New Year!

Beijos carinhosos,



PS: BEIJOS PRA DANI E PRA BETH CAROL. Sintam se beijadas cada uma a seu modo! Dani, pelas alegrias e grandes conquistas; Beth pela celebração de novos tempos pela força interior que ela tem! Obrigada "blogger" por essa oportunidade!

domingo, 26 de dezembro de 2010

Então foi o Natal...

Eu sempre tive uam concepção de Natal desde criançinha e quero continuar com ela e ensinar à minha filha e se Deus quiser passar aos meus netos.

Sempre festejamos o Natal com poucos presentes, mas dentro do verdadeiro espírito, celebrando o aniversário de Jesus Cristo.

Quando a minha avó materna era vivia, o ritual era o mesmo. Antes da meia noite nada se comia da ceia; faltando 10 minutos para a meia noite começavámos a rezar orações católiccas, entravamos pela meia noite juntamente com a Missa do Galo, só depois de pelos menos mais 10 minutos que estávamos liberados para a ceia.

Confesso que pra crianças isso era uma bela chatice, mortos de fome não podiamos dizer nadinha pq senão a matriarca ficava bravíssima.

Hoje em dia, não somos tão severos assim, mas rezamos juntos, celebramos em família e trocamos um pouco mais de presentes do que no passado; mas o presépio fica na mesa, assim como o pão e o vinho; corpo e sangue de Cristo na religão católica.

Eu pedi ao Nosso Senhor serenidade, força, mais fé e principalmente paz no coração dos homens e mulheres do mundo. Que esse esforço feito por Jesus seja cada vez mas compreendido seja lá qual for a religião das pessoas, mas que todos possam ter um pouco de seus gestos e palavras em seus corações.

Espero que Jesus tenha abençoado o Natal de todos vocês.

Amém!

domingo, 19 de dezembro de 2010

Aspirante a mãe de 2ª viagem.

Todo mundo que lê este humilde blog sabe da minha saga na maternidade. Pois é, eis que acabei me acostumando rsrs e curtindo tanto que venho sinceramente cogitando a idéia de ter mais um bebezinho em 2012. Ai você me pergunta: Como assim, nem entramos em 2011?

De fato, minha idéia é engravidar em 2011 para da a luz em 2012. Existem algumas mudanças para acontecer nesse ano que já nos bate à porta e de verdade, preciso começar a me adaptar e me reorganizar psicologicamente (o povo bem sabe que a cabeça aqui é tonta rs).

Eu tinha aquele pensamento quase que intrínseco de que não teria 1 filho. Me ferrei rsrs. Depois da imensa dor de parto, das noites mal dormidas, fraldas, cocôs, desfralde, desmame e blá blá blá eu falava a todo vapor: OUTRO FILHO NEM PENSAR!

Mas eu comecei a ver que não é bem assim, bate uma vontade sim de ter outro, de recomeçar, de dividir todo o amor que eu tenho pra dar.

Conversei com marido esses dias e ele me pediu pra segurar a onda (eu tive que concordar), precisamos resolver coisas práticas da nossa vida, voltar a ter uma vida mais intensa de casal (que com criança pequena fica dificil) e ai então, iniciar a pensamento.

Agora para 2011, só pensando num bebezinho e vivendo dia após dia frente às novidades que virão.

Beijos imensos a todos e volto antes do fim do ano pra fazer um balanço geral do meu 2010.

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Roberto e as várias formas de amar

Eu e Roberto nos conhecemos lá nos idos de 1991, tinhamos cerca de 10/11 anos e calhou de além de morarmos na mesma rua, cairmos na mesma turma.


Ele era engraçado, espirituoso, um verdadeiro "capeta" como diziam os mais velhos, mas aquela alegria contagiava quem chegasse por perto e comigo não foi diferente, tnato que viramos amigos quase que imediatamente.


Logo Roberto passou a frequentar a minha casa e eu a dele. Estava sempre no meu grupo de estudo, até porque ele odiava estudar, ai eu acabava ajudando. Descobrimos que nossos pais se conheciam de longa data, meu pai namorou a melhor amiga da mãe dele na juventude, o que facilitou ainda mais a consolidação da nossa amizade, ou será amor?


Sim, era amor o que sentiamos um pelo outro. Mas não era amor carnal não, mesmo o tempo passando, nos tornando adolescentes, nos amavámos na real pureza do sentimento. Nos defendíamos, brigavamos feito cão e gato e nos divertíamos muito.


A gente tinha uns códigos que só nós sabíamos. Só ele lia a minha agenda; só ele sabia das minhas dores de amor; só eu sabia que ele era apaixonado por ela mas tinha medo de se declarar e parece bobo frente aos meninos mais velhos, enfim, vivíamos um conto quase de fadas.


Até que um dia ELA chegou e começou a levar meu amigo pra longe. Começou meio que de brincadeira, mas dai o lance começou a ficar sério, ele não tinha mais tempo pra mim, pra família. Começou a fazer loucuras, vivia fora de si e não se concentrava mais. Repetiu o ano na escola e ai eu não podia mais estar perto dele pra proteger, mas ele estava lá, sempre com ELA.


Descobri que não podia com ELA e pedi a ele que se afastasse, ele me fez promessas, disse que nunca mais a veria, mas que era mais forte que ele. Até que chegou um dia que ELA começou a obrigá-lo a fazer coisas só pra te-lo mais perto. Entre as inúmeras besteiras, ele conseguiu perder a minha amizade fazendo uma grande bobagem.


Ali, naquele momento ele me trocou por ELA, A COCAÍNA! E tive a certeza que tinha perdido meu grande amigo para sempre. Ele tentou voltar a amizade, mas eu fiquei irredutível, além de magoada, tinha medo das suas atitudes a partir de então e resolvi que o melhor seria me afastar. Isso aconteceu um pouco antes do seu aniversário de 18 anos, que seria comemorado em maio.


Em julho de 1998, Roberto foi preso devido a um assalto a mão armada, como o lance ocorreu com alguém influente, a pena dele, réu primário, com residência fixa, 25 anos de regime fechado. Eis que então a partir daquele dia ele deixava de ser o "meu Beto" e passava a ter alcunha de bandido.


Lá ficou, por quase 10 anos, sabe-se lá de que jeito. Nesse tempo todo pensei nele sempre, quis escrever mas me policiei pq nossa história ficaria no passado, enterrada junto com as minhas lágrimas no dia da palhaçada que ele fez.


Até que em novembro de 2006, encontrei a mãe dele na rua e não resisti e perguntei por ele. Ela toda feliz, disse que ele sairia no inicio de dezembro e definitivo e que teria uma grande festa pra celebrar isso, pediu meu telefone e disse que gostaria da minha presença.


Cheguei em casa, contei pra minha mãe e achei que tava na hora de passar uma borracha e conversar, entender e perdoar.


Mais eis que no dia 06 de dezembro de 2006, recebi a noticia do falecimento dele na cadeia. Morreu de tuberculose, decorrente do HIV+, algo que a família nunca comentou oficialmente.


Chorei copiaosamente. Sentia umas das piores dores da vida. Só sentia remorso por não er dito o que eu quis, ter escrito o que devia, enfim, senti pelos anos que ELA tirou ele de mim.


No dia seguinte fui ao enterro. Chorei mais um monte abraçada a mãe e ao pai que pra mim eram e sempre serão tio e tia. Ela me agradeceu pela amiga-irmã que fui ao filho dela e me disse: Ele nunca esqueceu de você!


E assim foi!
Hoje, 4 anos depois da sua morte, chorei indo pro trabalho ouvindo a nossa música.


Pra mim e pra você RSTC ouvir seja lá onde você esteja.



quinta-feira, 11 de novembro de 2010

De repente 30

Pois é...

Estou fazendo 30 anos hoje. Uma sensação absurda de felicidade com medo, misturada com pânico, pavor e tudo de mais doido.

Venho há uns dias pensando como um simples número tem uma representação tão forte. Não entrei na crise dos 30, mas confesso que tenho fica mais pensativa, mais atenta e principalmente mais coerente.

Lembro que há tempos atrás eu era:
A representante de turma do Ensino Fundamental que na época se chamava ginásio;
A pré-adolescente que foi curtia Debby Gibson, New Kids on the Bloch e Legião Urbana;
Alguém que era só filha;
Que tinha amores insubstituíveis (aff ainda bem que essa parte passou mesmo)
Uma pessoa que não tinha celulite, estrias e nem peito caído;
Mas tb alguém que não tinha tido o prazer de ser mãe e de amamentar um bebê (a gravidez em si eu ODIEI);
Fui a solteira mais solteira que eu conheci na vida... aproveitei MUITOOOOOOOO!

Hoje, aos 30, posso dizer que tenho alguns orgulhos na vida e dizer também que me sinto melhor fisicamente (tá, agora tem a barriga cheia de estrias, mas faz o que né!), mais adequada, sou mãe, sou uma profissional competente e coerente, tenho um casamento sólido e com altos e baixos como a maioria dos casamentos e nem por isso deixo de ser mega feliz, tenho planos, sonhos e anseios, quero poder comemorar esses 30 e mais outros 30 ao lado de pessoas que eu amo e que me amem também.

Agradeço a Deus pelas escolhas que eu fiz até hoje e principalmente com o que o destino me reservou. Todas as minhas experiências me fizeram uma mulher forte, decidida e persistente, que não desiste facilmente das coisas e que luta em prol dos seus objetivos.


SOU EU:

VERONICA,
FELIZ, INTEIRA, BALZAQUIANA E ESCORPIANA.

BEIJOS

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

EM FALTA

POST EM LETRAS MAIUSCULAS PARA DEIXAR BEM CLARO QUE...

NÃO CONSEGUI CUMPRIR A MINHA PROMESSA DE ESCREVER TODOS OS DIAS NA CAMPANHA RUMO AOS 30.

MEU DEUS, COMO É DIFICIL EU ME ORGANIZAR. TÔ SEMPRE LIGADA EM 220 VOLTS E MESMO COM O RECURSO FOFO QUE O BLOGGER TEM DE PROGRAMAR AS POSTAGENS, EU NÃO CONSEGUI DAR CONTA.

E FORA TAMBÉM QUE RELENDO MINHAS COISAS ANTIGAS ESCRITAS AQUI, EU BEM VI QUE PODERIA ESTAR SENDO ULTRAPOWER REPETITIVA, AI RESOLVI DEIXAR PRA LÁ.

MAS PEÇO DESCULPAS AOS LEITORES QUE VINHA ACOMPANHANDO A SAGA DA BALZACA, MAS FICA PRA DEPOIS.

ESTOU LITERALMENTE NUM MOMENTO BACANA DE VIDA, MAS NUM DIA RUIM: TPM, ENXAQUECA, QUERENDO SUMIR, VONTADE DE CHORAR E TUDO MAIS QUE UMA MULHER NESSES DIAS PODE TER E SER, E O MAIS LEGAL... NAS VÉSPERAS DE COMPLETAR 30... AI AI, QUE TENSÃO!

QUERIA AMANHÃ PODER PASSAR O DIA COM MEU MARIDO E MINHA FILHA, MAS NÃO VAI ROLAR, TENHO QUE TRABALHAR, AFINAL NÃO É SÓ PQ É MEU ANIVERSÁRIO (E DE UM MONTE DE GENTE DIGA-SE DE PASSAGEM) QUE DEVERIA SER FERIADO RSRS!

E ISSO PESSOAL, OBRIGADA POR LEREM ESSA BOBEIRINHA QUE EU FINJO QUE ESCREVO DE VEZ ENQUANDO E BORA AGORA PRA OUTRA CAMPANHA: POR UMA VERONICA HABILITADA E DE CARRO ZERO RSRS!

BEIJOS IMENSOS.

domingo, 7 de novembro de 2010

Retornando

Durante 2 anos eu fiquei em casa, cuidando da minha filha, da casa, fazendo coisas que eu fazia antes num ritmo acelerado porque o trabalho me consumia.

Porém nesses 2 anos, além da felicidade de ter uma criança ao meu lado, eu tinha também a sensação de incapacidade. Aquela que bate quando sua vida profissional anda uma droga, as oportunidades simplesmente não surgem e vocÊ sente que os anos de estudo e investimento não serviram pra absolutamente nada.

Pois é, eu quase deprimi. Fiquei mal, não tinha ânimo, tava sempre triste e sentindo vontade de sumir. Eis que consigo retornar ao mercado de trabalho (ainda não na minha área), voltar a ser economicamente produtiva e poder voltar fazer coisas simples mas que só são possíveis se você tem dinheirinho... Fazer unhas, cuidar do cabelo, comprar besteirinhas, ajudar nas despesas da casa.

Feliz por quase um ano após essa nova conquista, chega uma nova benção: a oportunidade de voltar à minha área de atuação, o Serviço Social após 3 anos.

Hoje, tô cansada, sempre atarefada, sem tempo pros amigos, quase nenhum pra família, mas me organizando e muito feliz sabe por que?
Porque eu redescobri a minha capacidade profissional, tive certeza que eu sou uma profissional competente e tenho muito a oferecer e a aprender.

Obrigada àqueles que me proporcionaram oportunidades. Estou me esforçando muito para dar o meu melhor e acho que tá dando certo.

Rumo aos 30!

sábado, 6 de novembro de 2010

A volta por cima

Há exatos 10 anos, no ano de 2000, quando eu ainda só tinha 19 anos, eu passei por uma situação muito complicada de perigo, medo, trauma, dor e qualquer outro adjetivo esquisito que possa ter.

Uma sexta feira fria de junho, eu sai de casa por volta das 20:30h pra encontrar um gatinho num shopping perto de casa, dai entrei numa padaria pra comprar umas balinhas e quando sai, de cabeça baixa em direção ao ponto de ônibus quando fui abordada por um cara, que fazia sinal de que tinha uma arma embaixo da camisa.

Morrendo de medo, eu acompanhei o cara que logo me deu o braço e ordenou que eu fingisse ser sua namorada. Dai andamos uns 5 a 10 minutos que pareciam ser uma eternidade até ele chegar ao destino que ele queria; um local ermo e escuro para ele fazer o assalto.

Então encostamos num carro, ele me fez ficar colada nele e ir colocando meus pertences dentro do bolso do casaco dele e quando já não tinha mais nada eu colocar, eu pedi pra ir embora. Ele fez que não com a cabeça e disse que ainda não tinha terminado.

Ai, ele me deu o braço novamente e fomos andando até uma passagem de nível. Ali então ele começou a ordenar as ações mais terríveis da minha vida. Sem detalhes porque tô sem tempo mesmo: fui violentada, quase ao lado de casa, aos 19 anos, virgem e achando que naquele dia eu ia encontrar o homem da minha vida pra ser com ele a minha primeira vez. Ledo engano!

Depois de mais ou menos 40 minutos de horror, ele foi embora e ainda levou a minha calcinha de lembrança. Voltei pra casa suja de lama, atordoada, descabelada e sem rumo.

Enfim, ai minha mãe louca falou que a gente tinha que ir imediatamente fazer a denúncia e eu não tive medo, fui e fiz. Mais outros detalhes que outra hora eu conto. Quase um mês após a denuncia, fui convocada para fazer o reconhecimento de uma criatura que poderia ter sido o agressor.

Fui lá eu com a minha mãe pra delegacia especializada e confesso, fui muito MUITO bem atendida pela Polícia do RJ, desde o primeiro contato numa delegacia comum, exame de corpo delito, reconhecimento. Realmente a Polícia funciona quando quer e eu dei uma puta sorte.

Chegou o dia do reconhecimento, 5 homens de um lado da sala de manjamento (aquelas igual de filme mesmo que só vc vê mas o outro não consegue). Ele era o terceiro da fileira, vestia blusa branca com propaganda de carro e shorts verde. Jamais iria esquecer aquele rosto. Desabei a chorar. Chorei compulsivamente não só naquele dia como em pelo menos 3 dias depois. Entrei em pânico, deprimi, ia às aulas pq tinha que fazer, via aquele rosto em todos os cantos, escutava aquela voz em tudo e sentia o perfume dele em mim quase todos os dias.

Ele foi preso, julgado e condenado. Participei de uma audiência onde correu tudo bem pq mesmo depois de três anos passados eu repeti exatamente nas minhas condições tudo que havia acontecido. A sentença foi 10 anos pela violência sexual e 5 anos pelo assalto, que acabaram sendo reduzida a uma pena total de 9 anos e 7 meses, sabe-se lá porque.

Passados outros tantos anos, na faculdade comecei a estudar uma disciplina que falava do Sistema Penal, lá conheci uma pessoa que trabalhava com arte e cultura no sistema e me mostrando fotos, reconheci a criatura. Ai contei a pessoa sobre o que tinha acontecido e ela disse que sabia o porque da condenção dele e que ele estava arrependido. Na hora eu tive um ataque eu gritei: QUERO QUE ELE MORRA! Quero que a mãe, a mulher, as tias, as irmãs, as filhas, as sobrinhas, e todas as mulheres que ele gosta, se é que ele gosta de alguém, passem pelo que ele fez comigo. E desejo loucamente que ele morra na cadeia ou então mude de cidade, porque quando ele sair, vão caçá-lo feito bicho.

Depois do desabafo, que aconteceu no meio da aula, eu desmaiei e quando eu recobrei os sentidos estava com a professora e com 2 amigas (que já sabiam), ali elas me incentivaram a voltar pra terapia porque eu ainda não tinha superado, apenas vinha mascarando pra conseguir sobreviver.

E voltei!

Hoje, passados 10 anos e alguns meses, posso dizer que não lembro de detalhes, mas que tb não esqueço, só apenas uma lembrança ruim que eu transformei em força falando sobre, pondo pra fora. Fiquei aqui sem traumas graves, sem sequelas físicas, apenas com algumas neuroses que aos poucos vou me livrando delas, mas no geral posso me considerar super bem.

O assunto é meio que proibido na minha casa, até pq eu bem imagino que deva ser doloridissimo para minha mãe falar sobre isso, seria pra mim tb, eu sou mãe né! Meu marido sabe de tudo desde o ínicio e tb nunca falou nada a respeito, ele só diz que gostaria de nunca encontrar o agressor.

E vamos que vamos! Fazendo história e me aproveitando de toda a experiência mesmo que tenha sido ruim, para aprender e ver que nem sempre as coisas são do jeito que a gente imagina.

E rumo aos 30!



PS: O post não é pra causa dó nem pena ok leitores, é apenas uma história da minha vida, dos meus 30, a ídeia não é querer 30 segundos de fama, afinal já tenho quase 30 anos de fama né kkkk!

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

UFF... Passei!

Meu sonho sempre foi fazer faculdade. Eu queria mesmo era ser juíza de direito. Achava o máximo toda aquela imponência e superioridade que eu via nos filmes, mas aos poucos fui descobrindo que mais que isso um juiz deveria lidar com questões muito mais complexas do que eu poderia imaginar.

Eis que então pensei mesmo em ficar na advocacia, sem ir muito longe. Só que como na minha vida nada acontece por acaso...

Quando eu sai do 2º grau, fiz alguns vestibulares para ter noção de como seria a prova e vi que o bagulho ia ser doido, ainda mais pra mim que tinha feiro curso técnico e não tive as matérias elementares, ai a solução foi fazer cursinhi pré mesmo.

Só que pra que eu pudesse viabilizar isso, eu tive que trabalhar. Nessa época meus pais já estavam separados (o que nem faria muita diferença mesmo) e minha mãe mesmo com todo o esforço não poderia me ajudar. Me matriculei no segundo semestre do ano de 1999 e comecei os estudos.

Saia do trabalho, ia pro cursinho, chegava mega tarde em casa e quando as provas foram se aproximando, eu estudava sábados e domingos também. A rotina era pesada, não saia mais, festas e noitadas quase nunca sempre com o mesmo discurso: tenho que estudar pro vestibular.

Na hora de escolher as carreiras, eu coloquei Direito em quase todas. A única que eu não tinha escolhido ainda era a Universidade Federal Fluminense, a UFF em Niterói. Era longe de casa, do trabalho, de tudo, então fiquei relutante.

Ai num papo com a minha mãe ela disse: Você deveria escolher Serviço Social! Estava lendo aqui a ementa do curso e acho que tem muito a ver com você e com as coisas que você acredita, pensa nisso!

E fiquei pensando... Até que um dia conversando com um professor amigo, perguntei a ele se podia me dar um teste vocacional só por precaução, afinal eu já me via advogada mesmo.
Ele chegou no dia seguinte com o teste, eu fiz e esperei ele ver as respostas. Na verdade, não tiveram respostas e sim uma única: VOCAÇÃO - SERVIÇO SOCIAL!

Eu falei: Credo, só isso? Ah mais eu não vou seguir isso mesmo... porém como ainda falta a UFF pra escolher, vou colocar Serviço Social de pilha pra ver qual é.

E então chegaram as provas, resultados negativos em todas menos na UFF - passei na primeira fase. Surpresa total! Me superei rsrs.

Alguns dias depois, a prova da segunda fase, dificil pra cacete e eu tinha certeza que no ano seguinte ia fazer vestibular de novo, só que eu me enganei. Passei! Passei! Passei!

Passei pra uma universidade federal; negra, filha de pais separados, mulher trabalhadora, estudante da rede pública do primário á universidade, era muita honra! E o mais bacana, o resultado saiu um dia antes do aniversário da minha mãe, ou seja, um mega presente.

E em setembro de 2000, eu entrei na UFF pra sair com glórias e louvores em Junho de 2006, depois de muita greve, muita luta, muitas noites mal dormidas, muito medo nas madrugadas de volta pra casa, mas de muito orgulho.

Hoje cá estou, bacharel em Serviço Social ou Assistente Social, tanto faz. Uma profissional liberal que acredita na justiça social, na garantia dos direitos e numa sociedade igualitária.

Um beijo a todos os colegas de profissão que fazem valer a pena.
Um alerta aos colegas de profissão que ainda acham que Serviço Social é caridade. Helloooo! Mary Richmond já morreu!

Bjos

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Quando ela chegou... senta que lá vem post!

Ela chegou despretensiosa. Na verdade eu sempre achei fora de mim o título de MÃE, mas as coisas aconteceram exatamente do jeito que deveriam.

Eu já tinha 26 anos, já estava formada, num casamento sólido, não tinha ainda o tão sonhado emprego, mas tinha um emprego bacana do qual eu curtia, então porque não?

Porque eu achava que perderia noites de sono; porque eu achava que meu corpo ia mudar muito; porque eu achava que não teria paciência; porque eu achava que iria perder minha liberdade; enfim, porque eu só achava.

A descoberta... eu já sabia desde o ínicio, na verdade 90% das mulheres adultas e com cérebro funcionando, sabem o momento certo quando engravidam, umas mais que outras, mas é batata, quem conhece a si, seu corpo, vai saber primeiro que qualquer exame, e foi exatamente o que aconteceu comigo. Um belo dia eu acordei esquisita e me olhei no espelho evi que meu braço esava meio roliço, diferente. Minha cintura deu uma alargada e minhas pernas estavam meio "moles demais".

Já sabendo que havia dado uma bobeada na proteção, a probabilidade de engravidar seria grande, porém não imaginei que pudesse ser tão rápido. Hoje, eu atribuo essa "rapidez" ao fato de que como eu nunca quis ser mãe, qualquer "bobeira" seria líquida e certa.

Eis que chegou o carnaval e eu já tinha certeza da gravidez mas não contei pra ninguém, só marido e minha mãe que sabiam, afinal eu queria me acabar na festa pagã. É, é me acabei mesmo: de vomitar, de enjoar, de dormir, de chorar, enfim foi a festa do bebê! Pra ter uma idéia, eu enjoei da prima do marido que viajou conosco.

Na volta, eu fui fazer o exame de farmácia, deu positivissimo! Ai cheguei no trabalho acabada, minha chefe então me OBRIGOU a fazer o exame de sangue, disse que se eu não fizesse não entraria mais. Então no dia 10 de março de 2007, eu fiz o exame e 3 dias depois eu peguei o resultado... Um misto de tristeza, felicidade, perplexidade, loucura, tontura. Liguei na hora pra minha mãe e depois CHOREI.

O tempo passou, a parte ruim da gravidez que são os enjoos tb passou e eu comecei a curtir porque não engordei nada, continuei fazendo meus programas, a disposição voltou e ai era mesmo contar tempo pro nascimento da criançinha que eu não sabia ainda se era menino ou menina.

Na semana do chá de fraldas, descobrimos que seria uma menina, e depois de zilhões de combinações, decidimos chama-la MARIA ÍSIS.

No dia 09 de outubro de 2007, às 23:09, na Maternidade Municipal Herculano Pinheiro, chegava ao mundo a minha pequenina, com 51cm e 2.820kg, ou seja, um ratinho!

Até então, eu não era mãe, só passei a ser mãe mesmo, depois de amamentar e em seguida acompanhá-la num exame onde a médica fez uma punção na veia, onde minha neném, com apenas 36 horas de vida, chorou tão sentido e com tanta força que parecia ter 36 anos. Ali, naquele momento, éramos só eu e ela, apenas eu pra confortar, pra acalentar, pra amar.

Hoje, três anos depois do nascimento dela e quase chegando nos meus 30, acho que esse com certeza foi o dia mais importante da minha vida.

Beijos filhota!

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Campanha rumo aos 30.

Oi pessoas!

De amanhã, dia 04 de novembro até a próxima quinta, dia 11 de novembro, será uma semana até completar os tais 30 anos.

Eu já deixei uma postagem especial programada pro dia 11/11, mas tive a idéia hoje vindo pro trabalho de a partir de amanhã, eu postar todos os dias no mesmo horário que eu nasci, as 16:30, alguma coisa interessante que tenha acontecido na minha vida ao longo desses 30 anos.

Acho que vai ser legal!

Vou tentar finalizar com uma música pra cada post!

Confiram!

Bjos

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Corrente do Bem...

Pessoal que lê essa bagaça aqui, vamos nos mexer...

O Edu, noivo da Anne desse blog aqui ó: Porque eu sei que é Amor, que eu acompanho há um tempo, faleceu.

É uma história de amor lindissima e eu tô me solidarizando!

Anne mora no Pará e Edu faleceu em SP, então tá dificil para ela conseguir bilhete áereo por causa do preço...

Maiores informações AQUI!

BEIJOS.

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Tropa de Elite 2

Assisti esses dias o filme Tropa de Elite 2.

Infinitamente melhor que o primeiro, tem um "q" de elegância, mesmo que fale de segregação e mazelas; completamente atento e significativo, o filme é de uma inteligência absurda e conta com um trabalho de equipe fantástico.

Nada entendo de cinema, mas imagino que deva ter sido bem complexa a preparação, não só dos atores (TODOS estavam maravilhosos), a perspicácia do diretor, a contribuição dos roteiristas... enfim estou extasiada até agora.

Porém entre flores normalmente tem espinhos, e os que eu achei não são nada agradáveis.

Não sei como a maioria das pessoas vão reagir ou reagiram mediante às cenas, mas pra mim foi um grande "chute na canela", principalmente por conta da questão politico-social. Consegui identificar exatamente TODOS os personagens fictícios e os que apenas tinham a intenção de deixar no ar...

Acompanhei o processo político do Rio de Janeiro nos ultimos 10 anos com bastante afinco e confesso, votei no Governador de Tropa de Elite na 1ª eleição quando ELE mesmo se elegue. Ai então, fiquei mais deprimida, porque eu vi que contribui com meu voto para um esquema sórdido e sujo.

Reticências sobre Coronel Nascimento: Ele é a polícia que a gente ainda tenta crer. Mesmo sendo truculento, sendo ficiticio, enfim, é algo em que nós tentamos nos agarra numa esperança de que alguém poderia fazer diferença.

Cada vez mais percebo que o processo político na Brasil esta defasado, cheio de armações e escândalos, mas que enquanto não conseguirmos enxergar a passos largos que podemos sim impugnar eleições, destituir poderes, fazer do nosso voto uma arma, nada será mudado.

Enquanto houverem Coroneis Fábios, Secretários de Seguranças Guaracis, Governadores Tropa de Elite, nada vai mudar.

Enfim, depois de todo o blá blá blá, fica a dica: quem não viu, corre pra ver e quem já viu, assita de novo, coisa q eu farei com certeza.

Por hoje é só.

beijos

sábado, 23 de outubro de 2010

Declaração de amizade.

"Querida Vê,
Procurei um cartão alegre e colorido como você, r
epresentando a energia positiva que emana do seu espírito... Quando vi esse imã como significado do seu nome, lembrei muito de você e não poderia deixar de comprá-lo! Você é sortuda, pois é um dosp poucos nomes das minhas amigas queridas que achei. Espero que esteja tudo bem com vocês e não sei quando nos veremos novamente. Ficaremos por aqui mais um ano e estamos curtindo muito esta experiência de vida. Espero que o cartão chegue a tempo do seu níver... Feliz Aniversário! Tudo de bom em todos os sentidos! Você merece! Grande beijo direto de Cingapura! Lu, 11/NOV/10"

Bem pessoal, porque eu escrevi isso?
Primeiro pq eu fiquei mega feliz com essa delcaração de amizade que recebi da querida Luciana. Quem foi essa pessoa? Ela foi minha chefe num determinado momento da minha vida e nos tornamos grandes amigas. Há 4 anos ela se mudou para Cingapura e depois disso nos vimos uma única vez mas sempre trocamos emails e fotografias. Carinhosamente ela SEMPRE lembra de mim e de minha família.
Essa fotografia foi quando Lu esteve no Brasil, acho que em 2008 se não falaha a memória!




E estando bem perto dos meus 30 anos, tô super sensível e nada como declarações assim pra levantar ainda mais o ânimo. Tô feliz, cercada de gente boa mesmo que estajam a quilômetros de distância, minha família linda ao meu lado, trabalhando naquilo que gosto, enfim, mais feliz do que precisava rsrs.

Rumo aos 3.0, mas só em novembro rsrs, deixa eu curtir ainda a casa dos 20.

Beijos

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Certas coisas só acontecem comigo

Eu estava cheia de pressa pra ir pra casa depois de um dia punk de trabalho, eis que me lembro que o cartão de passagem havia sumido dentro da minha imensa bolsa.
Parei no balcão da recepção do prédio onde eu trabalho, apoiei a bolsona e começei a busca.

Eis que como num flash, o querido porteiro (que é novo na função) me faz a seguinte pergunta:

Porteiro: Olha só Ném... Você está com pressa?

EU: Olhar fumegante e pausa pra resposta... PORQUÊEEEEE?

Porteiro: Não é que eu queria fechar o portão, tá tarde, tô ficando com medo; mas pra isso você precisa ficar aqui no balcão com o controle dos carros pra eu fazer isso, dar a volta e entrar pela garagem.

EU: Olhar fumegante e pausa para resposta (2)... SIM, MAS EU TÔ COM PRESSA, PAREI AQUI SÓ PRA ACHAR MINHA CHAVE

Porteiro: Pois é, eu tô com muito medo e não tem ninguem aqui pra me ajudar.

EU: POIS É, MAS EU TB VOU FICAR TE DEVENDO ESSA.

Ok, eu poderia ter ajudado o cara, não faria mal nenhum, mas assim, eu sou assistente de uma agência de viagens bacana que tem no prédio e ele me chamou de Ném? Realmente doeu. Eu aceitaria um querida, moça, senhora, mas Ném? Isso não...

Pode falar que sou preconceituosa, mas isso me tira do sério, principalmente quando é dito por pessoas que trabalham com o público. Marca exatamente o tipo de atendimento que a empresa quer como excelência para seus clientes.

Mas é aquilo, como eu disse, certas coisas só acontecem comigo...

Era só pra descontrair ou então contrair mesmo rsrs.

bjokas

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Felicidades Princesa!

Tem certas coisas na vida que simplesmente não se explicam, apenas acontecem e seguem seu curso. Uma dessas coisas é o amor de mãe para filho. Nossa! Eu não fazia idéia que vai crescendo a cada dia, cada momento, enfim, é uma progressão gigantesca.

No último sábado, dia 09 de outubro, Maria Ísis, minha filha, completou 3 anos. Resolvi que faria uma festinha (que virou um evento rs) e vim contar aqui o quanto valeu a pena.

Cada sorriso no rosto dela; cada dança; cada amiguinho; cada familiar; cada amigo; enfim, todos que fizeram esse dia tão mágico para minha filha, OBRIGADA!

É o velho ditado: Quem meu filho beija, minha boca adoça!

Foi um domingo ( sim, a festinha foi no domingo) maravilhoso, super agradável e minha filha AMOU. Ganhou vários presentes, se divertiu com todas as pessoas presentes, foi uam delícia!

Ok, vamos ficar com dívidas até 2011 kkkk, mas super valeu a pena!

Obrigada a todos!

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

A história de Lily Braun

Como num romance
O homem dos meus sonhos
Me apareceu no dancing

Era mais um
Só que num relance
Os seus olhos me chuparam
Feito um zoom

Ele me comia
Com aqueles olhos
De comer fotografia
Eu disse cheese
E de close em close
Fui perdendo a pose
E até sorri, feliz

E voltou
Me ofereceu um drinque
Me chamou de anjo azul
Minha visão
Foi desde então ficando flou

Como no cinema
Me mandava às vezes
Uma rosa e um poema
Foco de luz
Eu, feito uma gema
Me desmilinguindo toda
Ao som do blues

Abusou do scotch
Disse que meu corpo
Era só dele aquela noite
Eu disse please
Xale no decote
Disparei com as faces
Rubras e febris

E voltou
No derradeiro show
Com dez poemas e um buquê
Eu disse adeus
Já vou com os meus
Numa turnê

Como amar esposa
Disse ele que agora
Só me amava como esposa
Não como star
Me amassou as rosas
Me queimou as fotos
Me beijou no altar

Nunca mais romance
Nunca mais cinema
Nunca mais drinque no dancing
Nunca mais cheese
Nunca uma espelunca
Uma rosa nunca
Nunca mais feliz


Qualquer semelhança com a maioria dos casamentos é mera coincidência rsrs.

Viva o magnífico Chico Buarque, o maior leitor da alma feminina que já existiu (na minha humilde opinião).

bjos

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Recursos: como e quando lançar mão de usa-los.

Uma coisa que eu sempre acreditei ao longo da minha curta existência é que provavelmente em algum momento da vida, você, eu ou qualquer um que seja vai precisar lançar mão de alguma carta na manga para finalizar uma questão pendente.


Não digo isso relacionando com troca de favores ou uso de sedução cafajeste; falo mesmo do tal recurso. Seja ele financeiro, afetivo, profissional, é aquela tal coisa que você sabe que a hora que precisar, vai estar lá para que você use.


Pois bem, porque esse blá blá todo? Simplemente para chegar num ponto que venho debatendo eu, comigo mesma e Irene (rsrsrs), a questão da manipulação.


Eu confesso que já manipulei algumas pessoas, umas de caso pensado e outras como diz uma amiga, sem querer nadinha... Tá, ok, beleza.
Mas também digo com letras imensas: EU JÁ FUI MANIPULADA! Manipulação infantil, coisa que eu e a maioria das mães do mundo são vitimas diariamente. Ai que tormento, tem que se virar nos trinta pra resolver isso com leveza, bom humor e principalmente não cair na chantagem dos pequeninos.


Pra tentar chegar ao equilibrio desse texto mega confuso, vou contar uma coisa e ai vocês vão saber identificar exatamente o tal recurso que falei lá no começo.


Hoje, eu recebi uma ligação de uma senhora que é familiar de um dos assistidos que eu atendo na ONG. Essa senhora, nós da equipe técnica já concluimos que possui problemas de ordem psiquica e/ou mental. Todas as vezes que a atendemos ela chora, muda de humor facilmente, não assimila as idéias apresentadas e o principal, desorganiza os pensamentos o que fica terrívelmente complicado para refazer depois. Resumindo: Ela teve o filho desaparecido, hoje em dia já encontrado porém precisa de um pouco de tempo para voltar para casa, coisas relacionadas a segurança da habitação e mapeamento de rede psicosocial para esse assistido.


Nessa ligação, o real interesse da senhora era que eu fosse até ela, para então buscar o filho na entidade onde ele se encontra para que o mesmo fosse avaliado pelo profissional local, tendo em vista que sem avaliação existirá a perda do beneficio (ou seja dinheiro) que o menino recebe.


Eis que ai ela usou do seu maior recurso para tentar em dissuadir. Chorou, disse que precisa do filho mas não pode ficar sem o dinheiro... Cada um com as suas razões!


Uma coisa é certa, ela sabia exatamente o que deveria falar para me comover (isso na cabeça dela). Usou o recurso sentimental, tentando me sensibilizar... Só para o azar dela, eu não cai. Consigo enxergar exatamente qual o momento exato da manipulação. Mas uma coisa é certa, errada ela não está; cada um se utiliza e se empodera com as armas e os recursos que tem.


Vivendo e aprendendo a perceber.




Beijos

domingo, 19 de setembro de 2010

Coisas que eu sentia muita falta.

É bom demais quando voltamos a realizar coisas, por mais simples que sejam, que nos dão prazer e alegria.
Eu considero saudades muitas vezes um sentimento bom de sentir. Algo que te teletransporta para momentos que já existiram e foram bons. Ok que nem sempre a saudade é boa, as vezes chega a doer, mas no meu caso beira felicidade.
Uma das coisas que eu mais sentia falta nos ultimos tempos era a sensação de autonomia e dever cumprido, e isso passou a acontecer depois que eu voltei ao mercado de trabalho. Ter meu próprio dinheiro, pode ajudar meu marido nas despesas e até mesmo proporcionar alguns mini luxos é bom.
Agora uma coisa que eu sentia MUITA falta era do chopp nas sextas depois do trabalho... AH como eu sentia!
Voltei a fazer isso. Me dá prazer, me sinto leve e de bem com a vida. Os passeios no shopping no final de semana com a minha família, ou simplesmente fazer planos, isso mesmo, os planos que lamentavelmente você não consegue concretizar se não tem um bocadinho de dinheiro.
Tô feliz! Cansada mas feliz.
Feliz por minhas novas conquistas; novas amizades; novos rumos e principalmente novos horizontes a percorrer.
Tomara que seja assim por um bom tempo. Afinal, todo mundo gosta de vivenciar coisas boas e eu não sou diferente.

É isso!
Boa semana a todos e que possamos viver a plenitude da felicidade por menorizinha que ela seja.

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Instituições "versus" Institucionalização

Quando eu criei pensei que iria falar muito da minha profissão, iria analisar, fazer comentários, pareceres e afins, mas acabou que os rumos foram outros e eu quase não falo de serviço social, mas hoje eu vou falar, então senta que lá vem história.

Desde 02 de agosto eu voltei a exercer a profissão de assistente social depois de quase três anos fora da frente de trabalho. E essa minha volta foi totalmente inusitada conforme eu conto AQUI; porém essa mudança só vem contribuindo ainda mais para o meu crescimento profissional e pessoal.

A Ong onde trabalho desenvolve um projeto de reinserção e reaproximação familiar em convênio com a FIA - Fundação para Infância e Adolescência do Estado do RJ e o objetivo é reinserir e reaproximar crianças e adolescentes (em alguns casos alguns adultos) com comprometimento mental que estejam em sistema de abrigamento, ou seja, em abrigos do Estado.

Até esse novo trabalho, meu contato com saúde mental era bem pequeno, algumas inserções com ex pacientes do antigo e extinto Dr. Eiras, localizado na cidade de Paracambi - RJ e somente. Nenhum contato com instituições, equipes técnicas que trabalhassem diretamente nessa área e principalmente contato ZERO com os portadores de necessidades especial, o tal comprometimeto mental que falei acima.

Hoje eu estive em um abrigo na cidade de Barra do Piraí e confesso que mesmo com a minha experiência no serviço social de aproximadamente 10 anos (a contar de quando entrei na universidade) me senti mal.

Me deparei com mulheres com idades próximas a minha, totalmente alheias ao mundo real, vivendo realidades paralelas, mundos específicos e completamente sem vínculos familiares. Vi uma equipe técnica comprometida com o trabalho e a proposta da reinserção e reaproximação familiar.

Excitação; surpresa; tristeza; medo; pesar; sentimentos de perda; curiosidade; tudo isso eu vi nos olhos daquelas moças. Vi também uma instituição segregada pela massificação do Estado, histórias interrompidas pelo abuso desse mesmo Estado e principalmente a tal institucionalização.

Trocando em miudos; as abrigadas que lá estão, cerca de 70, têm os mais diversos comprometimentos mentais, de leves até graves, mas existe algo comum em sua grande maioria: a dificuldade de se adaptar ao meio externo. Há casos que o abrigamente existe por pelo menos 28, 30 anos, ou seja, chegaram ao sistema ainda bebês.

A questão aqui não é culpabilizar familias ou tão pouco responsabilizar A ou B, mas mostrar que mesmo profissionais como assistentes sociais que são "treinados" ao longo de 4, 5 anos de graduação não se envolver, não se espantar e principalmente não usar de discursos assistencialistas, podem sim repensar a sua prática profissional a partir de olhares diferenciados e também se comoverem com determinadas situações.

Confesso que estou morrendo de sono, poderia estar dormindo, mas eu estou tão estarrecida com as imagens que eu vi, que precisava desabafar e por isso vim aqui pra dividir isso com vocês.

Talvez não seja o tipo de post que gostariam de ler, mas é o que eu consigo escrever, mesmo sem entender uma porção de coisas.

Uma coisa é certa, quando você não é apresentado a novas realidades, se adapta àquela que lhe é real. É exatamente que quer dizer a institucionalização. Segrega, massifica, maltrata e principalmente acolhe. Isso mesmo, uma relação completamente dicotômica, porque é dentro de instituições como abrigos que inumeras pessoas têm sua referência de vida, mesmo que essa não seja ideal.

Deixo um beijo grandão pra equipe técnica Moteana; super competente que tem me acolhido super bem desde o início do mês. Espero poder dar o meu melhor enquanto pessoa e principalmente como profissional engajada no projeto ético político da profissão.


Até mais.

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Minha vida e o Orkut + 3 anos de BLOG!

Faz um tempo que eu gostaria de escrever sobre minha relação com o Orkut, mas eu andava sem tempo, vinha a inspiração, mas eu acabava deixando pra lá. Agora, numa folguinha, entrei no dito cujo, vi umas coisas que deram o "Start" ai vim aqui.

Eu achava o Orkut uma palhaçada (discurso de quem não conhecia a ferramenta), achava que trazia muitos vírus ao computador, enfim, papo pra de quem não sabia mexer na ferramenta. Até que uns amigos antigos do meu ex. emprego me "convenceram" a fazer um. Ok, aderi!

Quando criei a minha conta, ainda era algo bem experimental, tipo 12 fotos por perfil, não tnha essa diversidade de aplicativos, joguinhos, ver atualização dos contatos, bloquear visitas, fotos, privacidade total... enfim, era apenas uma ferramenta de internet (a meu ver é claro).

Foi uma delícia a nova experiência. Reencontrei pessoas que não via há tempos, mantive vínculos mais estreitos com outras tantas e também passei por experiencias desastrosas por conta de gente maluca e sem noção, mas mesmo assim, não terminei com a minha conta.

Aos poucos fui fazendo alguns ajustes, organizando as coisas e eis que minha conta deve completar esse ano (se já não completou) 5 anos na ativa.

Agora porque esse testamento imenso? Pelo simples fato que algumas pessoas que fazem parte da minha rede vivem suas vidas baseadas no Orkut.

Alguns exemplos: postam videos e fotos e auto-comentam (ok, vc responder a um comentário é uma coisa, ou colocar um ou outro em uma foto q seja importante, mas simplesmente comentar a todos...); ter albuns daqueles que você sabe que a própria pessoa bateu a fotografia, em várias poses e colocar legendinhas estranhas; agora com o advento das mini mensagens, escrever pensando nos desafetos, nas fofoquinhas e etc; entrar na página do outro e deixar recados do tipo, Passei por aqui pq vc esteve na minha página...PELAMORDEDEUS, quer privacidade NÃO tenha uma conta no Orkut.

Tem uma série de coisas que eu acho complicadas também, mas essas são as que mais me incomodam, mas isso não é probelma meu né rsrs. É que eu fico com tanta raiva de algumas pessoas inteligentes, que tem bom papo, boas relações pessoais, que fazem esse tipo de meninice...

Eu ainda pouco deixei uma mini mensagem na minha página depois de presenciar um dos exemplos descritos acima:

"Orkut pra mim é apenas uma rede social, não forma de vida! Fica a dica!


É isso pessoal, um post meio bobo, mas me deu vontade de escrever.

PS: HOJE ESSE BLOG COMPLETA 3 ANOS. POR ALGUNS MINUTOS EU IA ESQUECENDO. NÃO VAI TER COMEMORAÇÃO ESPECIAL PORQUE ANDO SEM TEMPO, MAS QUERO DEIXAR REGISTRADO MEU IMENSO CARINHO A TODOS QUE POR AQUI PASSARAM, PASSAM E AINDA IRÃO PASSAR. ESSE BLOG ME AJUDOU E ME AJUDA MUITO. AQUI EU DESABAFEI, ENCONTREI CONSOLO, CARINHO, ME LIVREI DE UMA POSSIVEL DEPRESSÃO, ENCONTREI EQUILÍBRIO, ENFIM, É UMA FERAMENTA QUE HOJE FAZ PARTE DA MINHA VIDA, POR ISSO MERECE UM TEXTO EM LETRAS GARRAFAIS (RSRS).
GOSTARIA DE PODE TER MAIS TEMPO PARA ME DEDICAR, MAS EU ESCUTEI DE UMA PESSOA QUE É MUITO MAIS VÁLIDO QUANDO SEU TEMPO É CURTO E VC DIRECIONA CADA INSTANTE PARA PRODUTIVIDADE DO QUE UM DIA CHEIO DE TEMPO POUCO UTILIZADO. E GOSTEI DA FRASE....

É ISSO 3 ANOS DO INSUSTENTÁVEL, ESPERO QUE EU TENHA PIQUE PRA ESCREVER MAIS UM MONTE DE ANOS, OU ATÉ QUE A FERRAMENTA BLOG SEJA SUBSTITUIDA POR ALGUM ADVENTO MAIS "PODEROSO" RSRS.


Beijos imensos.

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

O que os meus olhos vêem.

Sexta feira é um dia muito esperado. É o povo que trabalha querendo que chegue o final de semana, alunos loucos para se livrarem dos professores; aquele diazinho que a galera toma seu choppinho depois do expediente; o mundo querendo voltar pra casa na mesma hora; tem aquele trocadilho "Sexxxxxxxxta feira"; enfim, é o dia mais querido da semana.

E hoje, em especial as pessoas ficaram estranhas (risos); A tal Sexta Feira 13, ainda por cima do mês de agosto, o "famoso" mês do desgosto.

Meu dia foi ótimo, tranquilo, com bastante trabalho, aniversário de 51 anos de uma tia querida, festinha em família, tudo nos conformes.

Mas eu vim aqui pra contar uma coisa que eu vi hoje voltando do trabalho. Um baita engarrafamento, eu, mil pessoas no ônibus, meu MP3 e meus olhos que olham tudo. Vi vários bares com a galera celebrando e num desses bares tinha um videokê. Confesso a vocês que eu acho videokê uma coisa bem divertida quando você está em casa ou num bar com uma galera bem animada pra zonear bastante.

Só que nesse bar com videokê eu vi um sujeito SOZINHO, com uma carinha do tipo "Tô bêbado mesmo e qual o problema, o dinheiro é meu", cantando Garçon para um platéia de 2 pessoas: o atendente e o garçon. Curioso né! Pois é, foi o que eu pensei.

Cada um celebra a sua sexta feira do jeito que pode e que quer. Por vários minutos eu fiquei olhando e pensando o porquê daquela pessoa estar ali, sozinha, cantando pra ninguém. Pensei rapidamente onde poderia estar sua família, seus amigos e senti dó do homem.

Pretensão pura a minha, mas foi o que aconteceu. Vi solidão no jeito daquele homem; nas roupas dele; no tipo do bar que ele estava.

Mas como era uma sexta feira e 13 ainda por cima, parei e pensei: É, cada maluco com a sua mania e com suas loucuras.

Tratei de me concentrar no som e torcer pra não demorar tanto pra chegar em casa, afinal, eu tb queria celebrar a minha sexta feira 13!

Beijos a todos

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Mudanças geram incertezas

Olá pessoal.

Nossa, zilhões de anos luz que eu não venho por aqui, mas é que a situação tá crítica (no bom sentido é claro).

A galera que acompanha o blog há um certo tempo, sabe da luta que foi para retornar ao mercado de trabalho, o quanto eu estava deprimida no tempo que fiquei apenas me dedicando integralmente às atividades domésticas.

Hoje já se passaram 10 meses desde o início na agência de viagens. Fazendo algo que para mim até então era novidade, eu até tinha alguma noção de turismo, mas era ligado à eventos, mas receptivo, operadores, pacotes... tudo isso era como se cantasse Babalu em grego!

Nesse tempo, eu não deixei de procurar emprego na área de serviço social, mas as coisas começaram a ser mais espassadas, sem o compromisso, algo bem tranquilo, enviando currículos aqui ou ali.

Eis que mês passado, uma amiga muito querida me liga de manhã, eu em casa louca resolvendo as coisas pra despachar marido e filha e depois ir trabalhar, parei pra ouvir o que a minha amiga tinha a dizer.

Ela foi breve e sucinta: "Vê, seguinte, pintou uma vaga de assistente social aqui na ONG para supervisionar uma subarea do meu projeto, topa vir fazer uma entrevista na sexta?"
Eu falei na normalidade que sim, topava e ela disse: "Quero vc fazendo parte da equipe, então vou dar uma força aqui."

Chegou a tal sexta, rolou a entrevista com a coordenadora geral do projeto e o diretor e no final da entrevista, eu esperava sinceramente que ele me dissesse: Entraremos em contato. Só que eu fui supreendida, a coordenadora, disse no meio da reunião: Para mim já basta, está contratada!
Então o diretor disse: Ok, se você dá seu aval, para mim está bem. Quando você pode começar Veronica?

Quase cai da cadeira, mas mantive a pose. Fui sincera, abri o jogo e disse que tinha outro emprego, que precisava de tempo pra conversar, e que poderia começar no dia 02 de agosto. Só que daí pintava o outro problema... Como pedir demissão? Falei, da forma mais branda possivel, só que não foi aceita.
Como na ONG são apenas 2 dias de trabalho, os outros 3 e o plantão de sábado (que fazemos home office) são destinados à agência.

Resumão: De mãe deprimida desempregada a economicamente ativa novamente, trabalhando em duas áreas que ama, sendo produtiva e estando MUITO feliz.

Certezas? Apenas a de que eu quero aproveitar cada minutos desses meus dias.
Descobertas? Eu TENHO valor profissional SIM.
Mudanças? Muitas, mas eu tenho o comando da minha vida e Deus me comanda!

É isso pessoal!

Fiquem na paz e um beijo.

terça-feira, 20 de julho de 2010

Dia do Amigo

Hoje comemoram o dia do amigo. Não sei quando foi criada a data e nem porque escolheram o dia 20 de julho, mas ficou bem representado.

Em julho geralmente está friozinho né, e nada mais legal e carinhoso que um abraço quentinho de um amigo ou de uma amiga;

Uma palavra de consolo;
Uma bronca;
Uma chamada pra real;
Um cafuné;
Uma night bem louca;
Uma sessão "girls power" ou algo do tipo na versão masculina;
Cinema;
Fofoca;
Pipoca;
Música;
Bastante conversa;
As vezes até vale uma "DR".

Mas o que realmente importa não é só celebrar no dia "comercial" e sim durante todos os dias.
Amizades verdadeiram valem muito. Quem tem amigos é feliz e sabe sempre com quem pode contar nas horas felizes e tristes.

Deixo aqui o meu beijo a todos meus amigos; dos mais próximos aos mais distantes e digo que sou muitíssimo mais felizes porque tenho pessoas como eles ao meu lado.

Feliz Dia do Amigo!

Considerem-se todos beijados.

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Parabéns Fabi!

Hoje tô aqu pra registrar a minha felicidade com relação a uma notícia que eu recebi no sábado mas tive de manter segredo até a dona da novidade liberar pra contar rsrs.

Minha amiga Fabiana e seu maridão estão grávidos...

Ok, porque colocar isso no blog?

Porque eu conheço a Fabi desde a época da faculdade, estudamos juntas, viajamos juntas, ela esteve no meu casamento, nossos maridos (na época ainda noivos) se dão super bem, a familia dela é maravilhosa - amo todos eles, eu e marido fomos padrinhos deles no casório, ela é super "tiazona" da Maria Ísis; enfim, é uma amizade de longa data que nunca se perdeu mesmo com a distância e a correria da vida moderna.

Então, tô aqui de peito aberto e muito feliz e emocionada pra desejar que esse bebezinho que cresce no ventre da minha amiga linda chegue para abençoar e unir ainda mais o casal super 10 que é Fabi e Leandro.

Beijos imensos queridos e rumo a 2011 de bebezinho no colo rsrs.



PS: Agora só falta a Érica... Só que a vez dela vai ser épica rsrs, quadrgêmeos pra poder ter madrinha pra filharada toda kkkkk

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Uma mulher de gostos duvidosos

Ela não toma café e odeia Coca-Cola;
Sempre preferiu os músicos aos atores e galãs;
Queria ter mais peito e uma bunda menor;
Torce pelo time que não é o do seu pai e nem o da sua mãe;
Gosta de samba mas tem pavor de pagode;
Adora cheiro de chuva, mas prefere o calor intenso;
Mora no Rio mas ama São Paulo;
Não come peixe;
E nem muito menos chocolate;
Foi a TODOS os dias do Rock in Rio 3, menos ao Iron Maiden;
Simplesmente PIRA quando toca uma música que gosta no rádio;
Nunca quis ser mãe, mas hoje sabe que é o papel que melhor desempenha na vida;
Não pulou etapas: namorou, noivou, casou;
É filha única mas tem nas primas irmãs de verdade;
Sabe dirigir mas não tem carro nem habilitação;
Não fale e nem escreve inglês, mas entende bem;
Tem preguiça de discutir política, futebol e religião;
Têm amigas e amigos valiosos;
Cultiva hábitos de infância;
É tiete, paga micos MESMO nos shows que curte;
Queria ser advogada, começou a fazer faculdade de letras, é assistente social de formação e agente de viagens por opção;
Acha a Alycia Keys uma cantora maravilhosa, mas se fosse homem teria a Fergie como um banquete para 200 talheres;
Ama Prosecco, mas se tiver cerveja, fica bom também;
Já fez sexo sem amor;
E amor sem sexo;
Praia, só pra pegar sol;
Mar, só pra admirar;
Frio, só pra ficar em casa;
Calor, pra viver e ver;
Não tem talento nenhum para arrumação;
Mas cozinha super bem;
Teve 3 grandes amores na vida;
Queria escrever como Clarice Lispector;
Sua mãe escolheu uns nomes para batiza-la: Márcia, Silvia Amélia, Ludmila, Carolina
Mas seu pai escolheu...


V E R O N I C A!

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Simples palavras

No sábado passado eu e familia fomos ao casamento de uma grande amiga e nos divertimos pacas. Gente bonita, cheia de pessoas queridas, enfim, programinha bom mesmo.

Eis que num determinado momento, o noivo pegou o microfone e fez uma declaração de amor toda fofa pra noiva, ai depois do pronunciamento, a galera que estava na minha mesa começou a comentar o quanto ele foi simples e sincero no que disse. Como boa parte do pessoal da mesa estava no meu casamento, Marido que não é nada bom com palavras gentis e carinhosas falou assim:

"Poxa gente, meu casamento é pra sempre. Eu não fiz discurso, mas o SIM que eu disse lá diante do altar foi o mais sincero de toda a vida."

Depois de ouvir isso como a mulher do marido ficou?

BÊBADA...

De felicidade e de Prosecco também!

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Sobre a Copa do Mundo

Um monte de gente já deve ter feito comentários sobre o Mundial da África do Sul no que se refere a tática, técnica e outras coisinhas relacionada à habilidade das seleções que dele participam. Pois é, mas eu vim aqui falar de outra coisa que a Copa trás de bom...

Um CAMINHÃO de homens bonitos para serem admirados!

É pessoal, isso mesmo! Não tenho visto jogos a não ser os do Brasil, mas esses dias me arrumando pra ir ao trabalho estava passando um jogo de Portugal contra Coréia (do Norte ou do Sul?). Daí fui me dar conta de como os portugas são belos. Nada têm a ver com os donos de padaria tipo "Seu Zé". São belos MESMO! Eu sempre achei Luis Figo uma gracinha e agora que ele não joga mais, deixou seu "legado" hehehe!

Nesse jogo que vai rolar entre Portugal e Brasil ficarei ainda mais de olho em Hugo Almeida e cia.

Eu pesquisei umas fotos mas não achei nada que ficasse legal por aqui, então, bora ficar de olhos abertinhos rsrs.

E esse é meu momento Mulherzinha Torcedora de hoje rs.

Beijinhos e prometo vir com assuntos decentes da próxima vez kkkkkkkkkk!

domingo, 13 de junho de 2010

Dia de Santo Antônio

Quando eu era mocinha esse dia era esperado ansiosamente, porque aos 14, 15 anos todo mundo queria ter uma namoradinho.

E diz a tradição do catolicismo que Santo Antônio é o padroeiro dos casamentos, namoros e etc... O santo casamenteiro!

Ai hoje a tardinha eu conversando com a minha mãe, lembramos de um episódio que eu e minhas primas fizemos lá nos idos de 1995...

A famosa simpatia pro Santinho!

Compramos a imagem do santo, um pouco de barbante e colocamos o coitadinho de cabeça pra baixo amarrado pelas perninhas com o barbante e o nome do felizardo ou coitado rsrs, colado nas costas dele. Depois colocamos o coitadinho dentro do armário, pendurado pelo barbante.

Além dessas tem outras inúmeras simpatias que obviamente não dão certo hehehehe.

Mas é uma coisa legal, que me faz lembrar da adolescência e ver também que simpatias funcionam muitas vezes como palcebo, tudo depende do quanto a pessoa acredita e quer tal coisa.

PS: Sobre o dia dos namorados ontem, nada demais, até pq tem fila em TUDO. Pegamos 45 minutos pra jantar numa churrascaria LOTADA! Mas valeu...

Beijos a todos!

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Top 10 Brazucas

A blogsfera continua cheia de coisas boas. Andando pelos bloguinhos, vi um post muito legal lá no 3 x 30, das vitaminadas trintonas Debbie, Gio e Bela. O post falava de 10 músicas que faziam o humor da trintona mudar. Achei tão maneiro e resolvi escrever algo semelhante, porém pensei em algo diferente e como eu sou muito musical, resolvi colocar as 10 músicas Brazucas que me colocam pra pensar. Então lá vai o play list!


Meu vicio é você - Alcione
"Por mais que eu nao queira eu só quero você."
Há quem diga que Alcione é brega, música de bar, de gente bêbada e cheia de dor de corno, mas eu bem que gosto. Geralmente quando ouço essa música dela, me dá uma vontade louca de pegar uma garrafa de Prosecco e cantar no volume 1000 (ok, mega desafinada, mas tá valendo rs).

Rosas - Ana Carolina
"Porque eu sou feita pro amor da cabeça aos pés e não faço outra coisa do que me doar".
Esse trecho me traduziu muito durante longe tempo da vida até eu decidir mudar o esquema. Gosto muito.

Vingança - Composição de Lupcinio Rodrigues imortalizada na voz de Jamelão.
"Mas enquanto houver força em meu peito eu nao quero mais nada..."
Sempre que ouço penso, caramba que profundo! Esse ai sofreu mesmo e não foi hipócrita, disse exatamente o que tava sentindo.

Pessoal Particular - Seu Jorge
"O bom da vida é viver bem, estar bem, querer bem, deixa eu namorar..."
AMO Seu jorge, tudo que ele canta, e essa música em especial pq me passa uma sensação de liberdade e sinceridade.

Travessia - Milton Nascimento
"Solto a voz nas estradas, já não quero parar, meu caminho é de pedras, como posso sonhar..."
toda vez que ouço essa música me dá vontade de correr, gritar e normalmente eu choro. Sinto um misto de coisas que eu não sei definir, mas que são boas, meio tipo "Saudade que eu sinto de tudo que eu ainda não vi".

Sexo , Amor, Traição - Luciana Mello
"Nao quero ver quem tem razão, sou movida à paixão..."
Pronto, essa sou eu!

Unico Olhar - Jota Quest
"Quer vir comigo amor? Tem que compartilhar todas as emoções..."
Apesar de ser uma música de amor, essa frase pra mim tem um sentido muito amplo, serviria para expressar que qualquer pessoa que estivesse disposta a estar ao meu lado, tem que compartilhar todas as emoções.

Ela une todas as coisas - Jorge Vercilo
"Ela só precisa existir pra me completar..."
Dedico para minha filha Maria Ísis.

Samba do Avião - Tom Jobim
"Rio, seu mar, praia sem fim, Rio você foi feito pra mim..."
Carioca da gema, amo meu RIO!

Emoções - Roberto Carlos
"Se chorei ou se sorri, o importante é que emoções eu vivi..."
Fecho com Roberto, nem curto muito, mas essa música é foda! Me expressa, me traduz, me encanta, me faz cantar.

Beijocas amores, amanhã tem Top list das gringas.

Vê.

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Por que é que tem que ser assim?

Hoje saindo do trabalho lá pelas 19h, fui abordada por um garotinho que me disse a seguinte frase: Quero ir pra sua casa com você!

Claro que eu fiquei assustada, mas do alto dos seus 3 anos de idade (que depois ele me disse), acabou comigo... Do tamanho da minha filha, ou seja um bebezinho. Descalço, sem camisa, num frio chato que faz hoje aqui no RJ.

Perguntei pela mãe, ele respondeu, tá ali - fiquei 20 minutos andando de um lado pra outro com ele e nada de achar a mãe. Ai ele lançou: Tia, to com fome! Fiquei péssima em triplo; eu ia ao supermercado comprar laches pra minha filha levar pra escola e ai quando entramos, pedi a ele pra escolher o que queria comer, e ele simples pediu um iogurte "amarelo" e o biscoito ele não sabia qual, comprei um exatamente igual ao que a Maria Ísis receberia em casa.

Depois disso, ele pediu colo... Sim, eu dei colo, dei biscoito na boca, fiz carinho, abracei porque estava frio e rezei pra ninguém me ver porque eu queria muito levar ele pra casa. Pensei em ir na delegacia, depois pensei mais um pouco e achei que poderia me complicar, e com lágrimas nos olhos voltei à praça onde ele me abordou e falei pra ele: Olha, você não pode ir pra minha casa, precisamos achar sua mãe, ela deve estar com saudades de você. Ai ele responde: Mas eu quero ir pra sua casa brincar com a sua filha. EU falei: Mateus, não podemos.

Entrei num bar e encontrei um comerciante local que me disse que ele está sempre por ali, que a mãe é dependente química e sempre volta para busca-lo.

Tentei ligar pro conselho tutelar, mas às 20h não tinha ninguém; pedi o número do plantão, ninguém quis dar; como mãe, assistente social, mulher, humana, me senti um lixo.

Aliás, estou até agora me sentindo assim. Não quero julgar a mãe ou quem quer que seja, mas eu quis sim, trazer o Mateus pra minha casa, pra minha família, pra minha vida; porém em cinco minutos de muitas lágrimas, eu refleti: o que será que me reservaria no dia seguinte se eu tivesse feito isso?

Isso seria rapto de criança, eu poderia responder um processo, ou na pior da hipóteses, sofrer graves represálias, já que acredito piamente que o Mateus mora na comunidade local, onde tem um poderoso e muito bem armado tráfico de drogas.

Vim pra casa orando muito, pedindo a Deus que levasse logo a criatura que ele chamou de mãe ao encontro dele, e pedi ainda mais: Deus, se por acaso o Senhor colocar essa criança no meu caminho mais uma vez, ela vai ser minha a qualquer custo...

Sai dali vazia, triste e muito mal mesmo. Sei que fiz a coisa certa, porém muita gente de repente pense que eu fui fria, mas os anos de ensinamentos da universidade me deram a maturidade necessária para agir da forma que eu fiz.

Pedi ao cara do bar que olhasse ele; e ele disse que o faria com carinho e que era pra eu ficar tranquila, a mãe dele voltaria como faz todos os dias.

Dessa vez, foi no meu caminho que o Mateus cruzou. E amanhã? Quem será que vai cruzar com ele? Torço para que seja eu novamente.

terça-feira, 25 de maio de 2010

A espera acabou!

Na próxima sexta feira, dia 28 de maio, estréia em rede Tupiniquim o filme Sex in the City 2.


Muito glamour, coisas hilárias, bastante futilidade além dos célebres encontros e desencontros tenho certeza que haverão no filme.


Mais quer saber???? NEM LIGOOOOOOOOOOO!


Tô aqui me contorcendo pra ver...


Amo a série; vi o 1º filme umas 4 vezes e chorei feito louca!


É isso vim aqui só pra encher linguiça mesmo rsrs


Beijos


terça-feira, 18 de maio de 2010

Quase Jason do Sexta Feira 13.

Faz tempo que eu contei aqui nesse blog a enorme confusão que rolou com uma maluca que lamentavelmente fez parte de um determinado momento da minha vida - a história está aqui.

Eis que depois desse episódio e conicidentemente por uma questão até mesmo de praticidade, eu mudei de msn, de uma forma que o email fosse o mesmo.

Beleza, comuniquei aos meus contatos e aos poucos a galera foi adicionando novamente, isso já deve ter uns 9 meses mais ou menos.

Ai, semana passada me deparo com um convite do mesmo msn da maluca que se fazia passar por um amigo de longa data, o que eu fiz? ACEITEI é claro e aproveite pra deixar uma mensagem em off - Você tem certeza que quer me ter nos seus contatos? Of course que eu não obtive nenhuma resposta.

Será que meus dias de sossego e paz estão acabando? Mas por outro lado, é bom dar corda pra ver sempre o que o inimigo tá planejando e ficar escaldada.

Agora vou esperar porque sempre no Sexta Feira 13 o Jason ressurge lá das cinzas né. Então vamos ver se a moçoila resolver imitar o grande ícone do cinema...

Beijos.

sábado, 15 de maio de 2010

15 de maio - Dia do Assistente Social

Hoje quero parabenizar todos os colegas de profissão, que vêm na luta árdua diária para que possa garantir os direitos dos cidadãos.

Engajamento político, relação teórico-prática, projeto ético-político e principalmente uma visão crítica e imparcial, fazem do assistente social um profissional diferenciado, o que não siginifica que como em toda profissão, desde que o mundo é mundo, existam os bons e maus profissionais.

A carga de leitura durante à graduação é imensa; antropologia, sociologia, alguns filósofos, um resgate da questão social brasileira e mundial desde quando a profissão começa a surgir, além do processo de trabalho, são alguns dos inúmeros temas que nós estudamos.

Eu já tenho 4 anos de formada, alguma experiência, mas infelizmente hoje não trabalho na área. A demanda de emprego para profissionais como nós geralmente é feita pelo Estado, através de concursos, o que dificulta porque existem as provas de títulos, e que não os possui, mesmo sendo aprovados em concursos, fica difícil chegar ao topo.

Mas é assim, aprendemos desde o primeiro dia de aula que o comprometimento e sigilo profissional fazem parte do nosso dia a dia; que mesmo tendo que fazer parte do sistema estatal ou empresarial, nosso foco sempre será a questão social, a relação que o cidadão possui com essa sociedade.

Parabéns a todos aqueles que escolheram o Serviço Social como profissão.

Beijos a todos.

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Coisas de mulher

Nas andanças de casa pro trabalho e vice e versa, eu tô sempre plugada no meu "radinho" e prestando atenção na moda - momento pretensão.
Então tem um tempinho que venho percebendo uma tendência pelo RJ: bolsas grandes. Dizem os especialistas que eesses modelos ficam melhores para mulheres de estatura maior, porém não é o que eu tenho visto.

O mais comum são as "tiazinhas" que enchem as bolsonas com um monte de coisas e ficam lá, pequeninas, nos ônibus lotados, segurando a todo custo em quem puder ou no que puder.

Hoje mesmo, entraram no ônibus umas três senhorinhas tipo idade de Mamãe, elas vinham conversando animadas com suas mega bolsonas e pra não ser pouco previdente, além das benditas a tira-colo, ainda tinham umas que carregavam na mão, tão cheias quantos às outras... Resultado: enrolação, segura daqui, empurra dali e vamo que vamo rsrs.

È assim, mulher quanto maior a bolsa mais coisa desnecessária se carrega!

Beijos pra vcs.

domingo, 9 de maio de 2010

Minha relação com a Maternidade!

Estão sentados? Então continuem porque lá vem história!

Dia das mães é todo dia, mas é sempre bom poder comemorar num dia específico mesmo que seja comercial e tal.
Durante muito tempo eu curtia a data como filha e de 3 anos pra cá passei a curtir como mãe, e olha não tem preço.
Minha relação com a maternidade foi construída ao longo do tempo. O pessoal que e conhece há tempos sabe que eu nunca quis ser mãe, não tinha pretensões com relação a isso, mas sempre achei magnífico quando alguma amiga ou pessoa próxima se tornava mãe.
Comecei a exercitar esse lado maternal quando nasceu João Guilherme, filho da minha cunhada. Como sempre fomos próximas, acompanhei a gravidez, estive no parto e muito junto durante o primeiro ano do bebê. Como eu acredito que nada acontece por acaso, eu acabei relaxando com a proteção e no final de 2006 eu tive a certeza que tinha engravidado. Uns dias depois, eu tava jantando como Marido e falei pra ele: Olha, eu acho que ano que vem a gente vai ter um bebê.
Ele ficou meio tenso e falou: Por que diz isso? Minha resposta foi, tive a sensação que no dia X a gente concebeu um bebê, mas vamos esperar.

Chegamos em 2007, janeiro, nada aconteceu. Comecei num emprego novo e como eu fazia muitas caminhadas, fui percebendo um emagrecimento progressivo. Um dia, na mesa de almoço, me senti mal e desmaiei no trabalho. Foi uma correria e tal, ai minha chefe me chamou de lado e falou: Mulher vai fazer um teste de gravidez! Obvio que eu disse, imagina, grávida não, é q minha pressão é baixa e tá calor pra caramba.

Chegou fevereiro, aniversário da minha mãe e a menstruação atrasada 2 dias e eu me sentindo estranha. Na festinha, eu fui experimentar uma roupa e quando me despi perto das mulheres da família, minha mãe e minha prima que é enfermeira obstetra na hora falaram: Você tá esquisita, tá grávida, vai fazer exame... Relutei até pq vinha o Carnaval e eu queria me acabar, ia viajar com Marido e tal...

Me ferrei, fui enjoada de casa até o destino final; não conseguia comer, só vomitava, cervejinha... nem pensar! Dormi horrores e ainda por cima fiquei enjoada da cara de uma moça que tava na casa. Na volta, trabalhando, outro desmaio, ai minha chefe falou: Se você não me aparecer aqui até 2ª feira com um Beta, tu ta ferrada!
Eis que eu fui fazer o exame que só ficava pronto em uma semana, caraca que demora! Quando eu recebi o resultado, foi uma sensação horrível. Um misto de aflição com medo, um filme passou na cabeça, pensei no emprego que tinha acabado de conquistar, das coisas que iria deixar de fazer, enfim, só vi a "parte chata da história".
Mas ai cheguei em casa e contei pro Marido que já sabia de tudo lógico, até porque eu tinha feito um teste de farmácia que deu positivo. Qdo falei com ele e com a minha mãe, foi uma felicidade geral. E eu com cara de tacho!
E assim foram os nove meses, os primeiros quatro, um terror, enjoos demais, desmaios, falta de apetite, emagrecimento, indisposições, um terror! Depois, como que por encanto, voltou a disposição, o apetite, a vontade de fazer um monte de coisas e ai a barriga cresceu mesmo e comecei a sentir meu bebe dentro de mim crescendo dia a dia. O ruim foi a ansiedade pra saber o sexo, eu só descobri com 8 meses na semana do chá de fraldas.

Não deixei de fazer nada estando grávida, ia a festas, dancei, passeei, enfim, não fiquei com restrições só porque eu carregava uma criancinha em mim. Tanto que faltando um mês pra nascer a Maria, eu fui madrinha de um casamento, com um barrigão imenso, dancei, comi, até me arrisquei a ficar acordada até mais tarde...

Eis que chegou o dia do parto, super tranquilo, sai da consulta médica de rotina direto pra maternidade. Maria Ísis nasceu super bem, no dia 09 de outubro de 2007, com 2,820 kg e 51 cm, de parto normal, eu não sofri quase nada (mentiraaaa) , fiquei ótima, e chegamos em casa 3 dias depois do nascimento porque tínhamos que realizar uns exames complementares por causa da toxoplasmose que eu tive durante a gestação.
Ali, naquele dia, eu descobri o verdadeiro amor; descobri que ela tinha sido feita pra mim, que se eu não tivesse deixado essa gravidez, jamais seria mãe. Meu bebê era ela. Minha vida dali pra frente era dela e estamos assim desde então.

Ela torna os meus dias mais completos, mais coloridos e cheios de vontade de continuar lutando para proteger, amar e cuidar dela. Sinto que tudo aconteceu na hora certa e que apesar de tudo, eu tenho sim, vocação para mãe, diferente do que eu e meus parentes e amigos achavam.

É isso!

Faço parte do rol das melhores mulheres do mundo;

Sou Veronica

MÃE DA MARIA ÍSIS!



Felicidades a todas as mães conhecidas, desconhecidas, negras, brancas, ricas, pobres, brasileiras, estrangeiras, mães de coração, simplesmente mães.
Porque como diz uma propaganda que tá passando na TV, Mãe é o feminino do Amor!

Beijos e feliz dia das mães pra todo mundo!

domingo, 2 de maio de 2010

Rejeição

Eu nunca pensei que poderia sentir um desconforto tão grande quando isso acontecesse de fato e fosse percebido e sentido. Já fui rejeitada, excluída, mas na boa, nunca me importei tanto; sofri o que tinha de sofrer, mas depois, vida que se seguia sempre.

Só que hoje eu senti uma dor imensa, mas pela minha filhotinha que só tem 2 anos e meio. Ela foi rejeitada no grupo.

Aqui onde eu moro tem uma penca de crianças, todas maiores e mais velhas que ela, que óbvio adoram brincar com ela porque os brinquedos dela são mais moderninhos, mais novinhos e coisa e tal, porém quando o assunto é ao contrário, fica estranho.

Ainda pouco, estávamos em casa e a Pequena ouviu o dvd da Xuxa numa altura imensa e quase implorou: Mãe, quero brincar com as "quianças..." Como eu estava já de toalha pra tomar banho, pedi ao Marido que a levasse até as meninas e fiquei tranquila. Não demorou 10 minutos eles entram e a Pequena chorandoloucamente de soluçar e o Marido tentando consolar. Eis q eu grito do banheiro; o que houve? Ai o Marido responde: Ah, quando a Maria chegou as meninas desligaram o dvd e foram brincar de outra coisa, deixando ela lá com cara de besta...

Olha, me subiu uma raiva, uma vontade de ir lá e chamar todas elas de interesseiras; de dizer que quando elas querem assistir os dvds que não tem, vem convidar minha filha; que quando querem brincar na casinha de bonecas, vem aqui chamar minha filha; quando querem andar de bicicleta (mesmo que seja num espaço pequeno), elas vem aqui chamar minha filha...

Me deu uma dor imensa e uma vontade de arrumar barraco... Só que ai, num instante quase microscópico cai em mim. Realmente a Maria está numa fase ótima para os familiares porém chatissima para as outras crianças; porque só ela tem, tudo é dela, infelizmente, não por minha causa, ela é mimada, não deixa as crianças brincarem mais que 5 minutos com os seus brinquedos e ainda por cima quer os brinquedos das outras pra si mesma. Ela por só ter 2 anos não se concetra fácil, quer correr, gritar, bagunçar; não senta pra brincar de casinha, nem de pentear as bonecas; o negócio dela é zonear, varrer, subir em coisas, jogar as bolas com força nas paredes; enfim, coisas que as meninas de 6, 7, 8 anos não fazem mais.

Mesmo assim, sabendo de tudo isso, senti uma puta raiva, uma vontade louca de gritar com todas aquelas menininhas que minha filha pode brincar SIMMMMMMMMM.

Mas, ainda bem que além dos 5 segundos de insanidade, tenho outros milhares de sanidade e um marido que me chama à realidade quando eu fico surtadinha. Pra finalizar ele só me disse uma coisa: Vê, quantas vezes você e sua turma não rejeitaram alguém que não "faziam parte" do esquema de vocês?
Fiquei lá no chuveiro... pensando e terminando de tomar meu banho.

É isso pessoal, quando acontece com os nossos, dói pra cacete. É o velho ditado: Pimenta no brioco dos outros é refresco.

Beijos e acabou o final de semana.



PS: Tô concentrada nas orações para Dani, tudo vai dar mais certo ainda! Bitocas gostosas amiga!

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Música para lava a alma

Oi pessoal.

Tem uns dias que eu assisti um show maravilhoso, na verdade essa banda eu nme conhecia, mas como eu já falei em outro post, descobri essa banda por que o marido aqui joga um joguinho e tinha a tal música que eu curti de primeira.

Ai vendo o show, descobri que a banda é melhor do que eu imaginava - Felipe Andreolli do CQC disse isso outro dia no twitter e eu quase não acreditei.

Então lá vai parta vocês mais uma música de ...


sábado, 24 de abril de 2010

Final de semana.

Hoje sabadão, final de feriado prolongado no RJ e eu aproveitei na medida do possível. Fiz coisas normais de dona de casa aproveitando o sol, porque nada melhor que um dia bem quente pra faxinar o barraco; trabalhei no dia útil entre os feriados e o melhor desse final de semana: fui pra uma balada!

Quem me conhece sabe o quanto eu AMO a noite e sabe também que eu saio sim de vez enquando porque pra mim é renovador e me deixa sempre mais bem disposta. Pelo menos uma vez por mês, me dou ao luxo de fazer um embalo desses.

Dessa vez o local escolhido foi a The Week, famosa boate no RJ, com filiais em SP e Floripa (se não me engano). Minha parceira de todas as horas, Lu Lopes que cantou a pedra e eu aceitei de cara. Um passeio que seria em dupla acabou virando quádruplo com a Carla amiga de Lu e Rachelzinha, minha amiga de longa data...

A The Week ou TW como os frequentadores assíduos chama, é uma boate tradicionamente frequentada por gays principalmente do sexo masculino, um lugar bonito, com boa música, gente chique e descolada e o melhor de tudo, gente que respeita as diferenças.

Quem tava dando pinta por lá era Serginho ex-BBB10 - realmente ele é um espetáculo a parte, cheio de caras e bocas, muito afetado, mas é o mundo dele, o jeito dele, achei legal. Uma coisa que me chamou atenção foi a maquiagem dele: PERFEITA, eu não conseguiria nunca me maquiar com tal perfeição.
Outro que passou por lá foi Bruno Chateaubriand, famoso socialite carioca que sempre aparece na revista Caras; conhecido no RJ por ter uma cobertura fabulosa no edifício Chopin (metro quadrado mais caro do bairro) em Copacabana e por ser homossexual assumido com casamento estável.

Lá essas duas figuras eram apenas um número no grupo de pessoas que ali estavam. Serginho causando mais porque além de super jovem, ele "tá na crista da onda" aproveitando seus 15 minutos de fama e o Bruno, mais contido porque parece ser o jeito dele mesmo.

A única coisa que os diferenciava de mim e das minhas amigas era... o limite do cartão de crédito, porque até mesmo gostar de meninos a gente gosta igualmente rs.

Final de festa: Feliz, dancei pra caramba ao som de música eletrônica que eu AMO, amigas fofas, por do sol na piscina da boate, prosecco...

Eu queria colocar fotos, mas desconri que não levei minha camera, então vou esperar uma das meninas disponibilizar depois posto pra vocês.

E pra fechar, o feriado de ontem teve um doce e belo reencontro - Danizinha querida no msn, amei!

É isso pessoal. Sigo o sábado chuvoso ouvindo (não porque eu quero, meus vizinhos me obrigam) Benito Di Paula e esperando marido acordar pra almoçar...

Beijos a todos

quarta-feira, 21 de abril de 2010

Sobre gostar de mulher

Não sei se eu já falei sobre isso em algum post, mas se já disse, perdoem-me, mais senti necessidade de escrever sobre isso.

Quando pensava numa pessoa que gosta de mulher, sempre imaginava um homem ou uma mulher que sente atração física e sexual por uma mulher, mas percebi que não é bem assim logo após ter conversado durante longas horas com uma pessoa que eu admito muito.

Nessa conversa, o rapaz me disse que GOSTAR de mulher independe de sentir a tal atração físíca ja dita. Ok que ele pode te tido um influência do Arnaldo Jabour rsrs, mas como é uma pessoa das minhas relações, as opiniões foram bem mais absorvidas.

Ele diz que GOSTA de mulher integralmente;
Dos xiliques;
Da TPM;
Da indecisão na hora de se vestir;
Da maneira como cuidamos dos maridos, namorados, pais, filhos e amigos;
De como ficamos lindas ao engravidar;
Do ato de amamentar;
Do Poder ao calçar um salto alto;
Do jeito cínico depois de trocar olhares com alguém que interessa;
Da responsabilidade ao focar num projeto;
Das multiplas jornadas;
Do cheiro;
Do gosto;
Do corpo;

Segundo ele, é muito mais que algo sexual ou sensual, é admiração. Ai no final ele me disse: "Vê, se um cara não ADMIRA sua mãe, sua irmã, sua tia ou alguém bem próxima, você pode ter certeza que será dificil manter uma relação de companheirismo e amor com a mulher que escolher para estar ao seu lado, seja por uma noite ou por um bom tempo de sua vida."

E não é que ele foi feliz quando falou isso!

Pra esse feriadinho xoxo, deixo essa mensagem e depois vejo com o meu amigo se posso publicar o papo que a gente teve na íntegra pelo msn.

Uma beijoca carinhosa pra mulherada querida e pros homens que GOSTAM de mulher.

domingo, 18 de abril de 2010

Coisa boa de ler.

Eu tava andando pelo Orkut e num perfil amigo, vi isso escrito e resolvi copiar. Acho até que me lembro de ter lido em algum lugar, mas não sei quando foi, então pra refrescar a minha memória e de vocês leitores, uma coisa boa de ler.

"Quem teve a idéia de cortar o tempo em fatias, a que se deu o nome de ano, foi um indivíduo genial.
Industrializou a esperança, fazendo-a funcionar no limite da exaustão.
Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar e entregar os pontos.
Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra vez, com outro número e outra vontade de acreditar que daqui pra diante vai ser diferente"
Carlos Drummond de Andrade

Beijos


PS: Chupa Mulambadaaaaaaaaaaaaaaaa! Mandou bem Fogo kkkkkkkk!

quinta-feira, 15 de abril de 2010

Pra você Sal!

Sei lá onde eu li ou ouvi que amigos a gente reconhece. Pois é foi exatamente o que aconteceu com a gente.
Nos enturmamos logo de cara, no segundo dia de aula; começamos a papear; achamos afinidades, risos, sorrisos, coisas em comum, emfim, nos reconhecemos, porque como você mesmo diz, parece que já tinhamos estado próximos em outras vidas...

E eu acredito!

Beijos pra você Sal; meu psicólogo preferido, meu personal style, meu mestrando, meu orientador (rs), pessoa fofa, crítica, inteligente e muito querido.


Obrigada por tudo e ano que vem, te faço companhia na FIO tá!