quinta-feira, 28 de maio de 2015

E o povo, como está?

O bom de ter um blog só meu, é que a vontade de escrever vai e vem e eu consigo administrar isso no meu tempo e sem cobranças.

Quero falar das pessoas, ou melhor, das minhas impressões sobre como as pessoas andam se comportando ultimamente. Desde as eleições presidenciais passadas, eu comecei a observar como a intolerância vem dando as caras de maneira exacerbada e até conturbada. Não há mais coerência no que se diz, as ideias estão confusas e atacar (sem saber exatamente o porquê), virou rotina.

Lógico que com o advento das redes sociais, as pessoas começaram a expor mais as suas ideias e tais feitos tomaram proporções. Várias curtidas, inúmeros compartilhamentos e assim vemos uma sucessão de desordem e desatinos em nossas "timelines".

O que realmente me intriga é que diante de tanta intolerância, excesso de rusgas e uma enorme falta de respeito para com as opiniões alheias, qual será o mundo que deixaremos para nossos filhos?

De que maneira, em nossa velhice, nos relacionaremos? Ainda estaremos preocupados se a pessoa que dorme na cama do vizinho é ou não do mesmo sexo que ele; se a família ainda será naquele molde patriarcal lá do século XIX?

Tenho medo!

Medo de não conseguir e de não estar mais aqui nesse mundo para proteger (ou ao menos tentar) minhas filhas de "tanta babaquice, tanta caretice, dessa eterna falta do que falar..."

Sigamos! Sempre em frente, lutando para que dias de paz realmente sejam uma constante e não apenas um desejo utópico.

Vê.