sábado, 24 de dezembro de 2016

Tchau 2016!

Primeiramente (Fora Temer, rs), pela saraivada de coisas que chegou em minha vida. Começou com o desemprego, a desilusão com o mundo, em seguida amigos em situação difícil, mais desilusões com pseudos amigos, explosão de conceitos de mundo caindo por terra, o retrocesso político brasileiro, capaz de deixar qq pessoa questionando "oh céus o que eu tô fazendo aqui..."
Teve impeachment promovido por golpe, teve pastor evangélico eleito na cidade mais cheia de diversidade do país, mas também teve o meu reencontro.


Eu ainda tô "sofrendo" os baques do senhor 2016, mas agora as coisas parecem querer entrar nos eixos.
Desse ano pavoroso (se Stephen King fosse fazer uma nova obra, seria baseada em "como as pessoas sobreviveram a 2016"), ficou em mim a certeza de estar no caminho certo, mesmo talvez por escolhas erradas.


Eu decidi ser que eu sou, me livrar dos grilhões do preconceito e assumir a minha fé. Vocês não fazem ideia do quão grata eu sou pela oportunidade de estar praticando cada vez mais o bem. Vivenciando o amor no sentido mais pleno da palavra. Amor esse que me faz acordar todos os dias na certeza de que o meu processo de evolução depende unicamente de mim. Nada vai acontecer na minha vida se eu não for a personagem protagonista.


O que eu espero de 2017? Nada! 


Espero que as pessoas em 2017 sejam elas mesmas. Que se livrem de amarras, façam o bem, busquem seus objetivos sem machucar ou ferir ninguém.
Desejo que as opiniões diversas não sejam causas de polêmicas e/ou perda de amizades e que cada um possa se respeitar e se amar apenas. Pq cada ano que passa, somos essência sim, mas as influências externas estão aí para nos fazer refletir e agregar ao q já somos, possibilidades para o que talvez possamos vir a ser.


Agora só tenho a agradecer. Apesar de faca na caveira, 2016 foi o meu ano, de me reconhecer enquanto ser humano, de entender cada vez mais que as pessoas só doam aquilo que podem. Umas demandam de nós atenção absurda e de repente nos trocam, outras chegam de mansinho e quando vemos preenchem espaços importantes e o mais legal: tem gente que tá sempre ali.


Quem é melhor? Todos são! Serei eu uma pessoa melhor ao saber lidar de forma sábia e generosa, lembrando que sem a diferença, o mundo seria chato.
Parafraseando alguém que vem sendo fundamental no meu processo interno de conhecimento: "não conceda a ninguém o direito de lhe aborrecer."


Tchau 2016! Juro q eu achei que ficaríamos presos a você até 2034.
Eu hein!