quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

A nossa história... (post antecipado, não aguentei esperar)

A gente se conheceu em 1999. Tínhamos amigos em comum e sempre nos esbarrávamos pelo bairro em que moramos até hoje. Os papos cabeças sempre fizeram as nossas e acaba que no fim, a gente ficava meio deslocado da galera "in love" de amizade.
No final desse mesmo ano, um dia eu cheguei no grupo e me despedi porque precisava estudar pq o vestibular estava chegando e eu precisava passar.
Lá se foram quase 12 meses desde a despedida até o reencontro. Uma festa de 15 anos de uma prima que por consequencia era muito próxima na época da irmã dele.
Nessa festa, eu estava sozinha, puta da vida pq minha mãe não quis ir comigo e ainda por cima não quis emprestar o dinheiro pro táxi. Ai resolvi: vou beber pra esquecer meus problemas... E bebi mesmo, umas 25 tulipas, segundo ele. Fiquei ruim... Mas ele tava ali, sempre do lado, conversando, meio que tomando conta. Nos despedimos e combinamos de fazer algo no dia seguinte.

O dia seguinte chegou e eu fiquei pensando: Hum, ele ficou a fim de mim ou foi só educado pq eu me encontrava em alto grau etílico?
Bem, pra saber disso surgiu em mim aquela de sempre, cara de pau. Tomei coragem e fui na casa dele convidar pra uma baladinha de domingo. Ele aceitou e disse que iríamos sim.
Beleza, já na balada, eu morrendo de ressaca, mais uma vez acabei ficando lá, destacada conversando só com ele.
A galera que foi com a gente começou a colocar pilha, falando: Poxa cara, beija logo! E eu me fazendo de santa que nunca fui: Que isso gente nada a ver!
Até que ele se encheu de coragem e disse no meu ouvido: Vou te pagar um suco, mais tem que ser no andar de cima.
Foi a deixa! Subi no tal mezanino e lá, ele não disse nada. Me beijou e se impolgou a ponto de me fazer dizer: Ei, calma ai querido!
Depois dos muitos beijos voltamos pro meio da galera e a zoação foi total. Levamos bem e ficamos juntos o resto da noite. No final ele disse: Me dá seu telefone, eu não tenho. Na verdade nem sei ao certo onde vc mora, só sei que é na rua X.

Passei o telefone e deixei quieto, afinal nessa época eu era a piriguete rsrs. No dia seguinte, uma segunda feira, ele ligou. Perguntando se tava tudo bem e o que eu faria na quarta a noite. Eu disse que tinha uma festa de 1 ano pra ir e depois nada mais. Ai ele completou: Olha só, minha mãe faz aniversário, vai rolar um churrasco, que tal vc aparecer lá em casa? Eu falei: Ok tudo bem, depois da festa eu passo lá sim. E foi o que eu fiz, marquei um tempinho na festa e fui pra casa dele. Pessoas conhecidas, chopp e muitas risadas.

No final da festa ele fez questão de me levar em casa e disse assim: Você quer namorar comigo? Eu me assustei! Fazia tempo que não escutava isso. Perguntei se ele tava falando sério e ele disse que sim e ainda completou: Vc é legal, eu te conheço há tempos, tá sozinha, eu também tô, vamos tentar...
Eu por 2 segundos pensei e falei: Ok, fechado, vamos namorar sim!

Isso aconteceu em março de 2001.
O primeiro beijo no dia 11 e o pedido de namoro dia 15.
O noivado aconteceu em 11 de março de 2002;
O casamento no civil em 12 de agosto de 2004;
O casamento religioso em 04 de setembro de 2004;
O nascimento da nossa Maria Ísis em 09 de outubro de 2007;
E dia 11 de março de 2010 (é pessoal) completamos 9 anos de união que não se dissolveu apesar de trancos, barrancos, traição, falta de grana, emprego e compreensão, mais acho que o amor é forte ou então a reza é braba kkkkk.

Essa é a história de Veronica e Fábio!

Beijos a todos

2 comentários:

Dama de Cinzas disse...

Legal ler sobre histórias que estão dando certo, eu só ouço desgraça em termos de relacionamento. Parabéns!

Beijocas

Olavo disse...

Relembrar é sempre gratificante..
belo post
Bjs