quarta-feira, 29 de abril de 2009

Amores possíveis.

Eles se conheceram da maneira mais atual possível. Pela Internet.
Ela estava entediada, chateada com a vida e com o trabalho. Saiu P da vida com o chefe e resolveu que não mais voltaria naquele local. Chegou em casa, tomou um belo banho e acendeu um cigarro e levou seu companheiro copo de refrigerante para frente do computador.
Lá, navegou por horas por emails, sites de busca, leu as coisas do escritório e até que num banner tinha o site de um bate papo.
Ela pensou o que leva as pessoas ficarem horas e horas digitando. Muitas mentem, outras sonhas, outras divagam, mas mesmo assim resolveu entrar para ver o que poderia ser.
Humm hora de pensar num apelido (nickname, é assim q estava no site). Ela pensou e resolveu colocar Deliciosa - pensou no copo de Coca cola que estava tomando.
Pronto! Uma legião de homens loucos e sedentos por sexo começaram a chamar ela no chat. Ela ficou perdida, sem saber o que fazer, não dava conta de responder todo mundo, uns educadamente e outro com bastante palavrões. Eis que então ela escreve em letras garrafais: Vai todo mundo se F... vcoês são bestiais. E quando ela está prestes a sair Ele fala: Não, não sai, quero falar com você. Ela responde que não está a fim de bobeira, só quer conversar porque está triste. Ele replicou dizendo que então que ficasse e conversaríam no reservado (local onde eles não seriam vistos pelos outros participantes do chat). Ela topou.

O apelido dele era bem comum - Felipe. Ela pensou, caramba demorei tanto tempo para me manter anônima e escolher um apelido e o cara coloca seu próprio nome... estranho.
Naquele dia, eles ficaram por 8 horas conversando, dali daquele chat ela saiu direto para tomar banho e ir ao trabalho.
O dia foi passando e Ela não via a hora de encontrá-lo de novo, e assim foram durante duas longas semanas, chat, emaiis carinhosos, até que conseguiram se falar pelo telefone pela primeira vez. Que voz tinha Ele, meiga, calorosa, cativante. Ela já estava apaixonada por alguém que mal conhecia e que poderia ser um doido varrido, conversaram longamente e decidiram que no final de semana se veriam. Ela escolheu um local público com medo de ser vítima de loucuras, Ele não ligou. Como não haviam trocado fotografias, combinaram a roupa q usariam. Ele disse q teria uma rosa branca nas mãos.
Ela chegou mais cedo que o combinado porque precisava tomar um chopp sozinha. Tomou seu chopp, fumou seu cigarro e ei q uma voz surge bem perto de seu ouvido e diz: Eu sabia que era você! Senti seu perfume a metros de distância.
Ela nunca dito que perfume usaria naquele encontro.
Ela ficou maravilhada, virou-se e deu um caloroso abraço e agradeceu pela presença. Ali no meio de muitas pessoas eles eram apenas 2. Não havia interrupções, barulhos, nada além de seus rostos, suas vozes, seus corpos irradiando mensagens de como aquele encontro estava sendo perfeito. Conversaram durante horas, sobre tudo e mais um pouco e descobriram ainda mais coisas em comum, menos uma. Ele tinha alguém. Ela ficou arrasada, saiu na hora do lugar esbravejando, dizendo mil desaforos, entrou louca no carro e dirigiu chorando muito até em casa.

Ao chegar em casa e abrir sua caixa de mensagens havia um texto grande que terminava dizendo - Por você, eu faço o que for preciso, te amei desde o primeiro momento que vi suas palavras no chat.
Ela ficou triste ainda mais, pensou q mais uma vez teria sido enganada pelo sexo oposto. No dia seguinte resolveu ir a praia com uma amiga e eis que quando chega no destino, vê de longe um homem olhando e avisa a amiga de quem se tratava. Caramba, como Ele sabia que Ela estava na praia? Mais tarde Ela soube que Ele dormiu no carro na porta de seu prédio e ficou esperando movimento dela e a seguiu.
Ela ficou horas na praia, Ele tb, de longe. Ela deixou a amiga em casa, e Ele a seguindo, até que num súbito lampejo Ela parou o carro e já preparada para acabar com Ele, se surpreende com um enorme beijo. O beijo mais lindo, mais tenro, mais perfeito que ela já tinha dado na vida. Dali eles voltaram para a praia, assistiram o pôr-do-sol e ficaram juntos de verdade pela 1ª vez. O resto é fácil de imaginar. Passaram a noite juntos, a primeira de muitas e muitas. Ele, ainda com alguém, Ela pressionando até que depois de 1 ano inteiro chega a notícia do término do relacionamento Dele. Ela ficou radiante, Ele comportou-se normalmente e a relação deles durou mais 3 meses.
Terminaram de comum acordo porque perceberam que a relação deles tinha prazo de validade, e este acabara de vencer.

Mas, assim mesmo, viveram loucamente sua história de amor. Depois ainda tentaram reatar, mais não deu certo. Viveram o momento certo e exato, se entregaram à paixão nua a crua, se despiram de couraças, de pré-conceitos e apostaram no quase irreal e deixaram de lado o que de pior podia conter em cada um para se unirem naquele momento.


Bem, não sei o que aconteceu depois com essas pessoas, li essa matéria numa revista feminina e resolvi resumir algumas coisas e colocar aqui para vocês verem que não adianta você querer trapacear, quando a paixão chega, não adianta fugir. Não importa sexo, raça, cor, idade, aparência, ela simplesmente vem e pronto.
Entreguem-se à paixão amigos, deixem-se levar por esse sentimento arrebatador e maravilhoso.

Beijos calorosos.
Veronica

3 comentários:

Anônimo disse...

Nossa, amiga... vi seu email e vim correndo ler... sim, é aminha cara... a vida é isso... como diria Vinícius de Moraes: "Sei lá, só sei que é preciso paixão, a vida tem sempre razão".
Beijos com amor.
Pri.

Carol disse...

Meus Deus... fui lendo, lendo, lendo e quando dei por mim estava aqui, desejando um amor desses...

Adorei!

Beijocas

D@ni disse...

"Viveram loucamente sua historia de amor", é isso que falo Vê, se pintar, que seja então com muita intensidade. Amor nunca é demais. kkkk. Bjim. amei o post, ja te falei né amiga?