terça-feira, 30 de setembro de 2014

Há tempos em Pira!

Meu Deus!
Coitado do meu bloguinho... Abandonado, jogadinho pras traças. Eis q numa insônia eu volteiiiiiii!
Ta, senta que lá vem história!

Três anos e pouco de Piracicaba e eu acho que devo me pronunciar.
Quando eu soube que viria morar aqui confesso que fiquei zonza. A ideia de deixar o Rio de Janeiro me assustou demais da conta.
Os primeiros meses foram dolorosos, o primeiro ano foi complicado e ao mesmo tempo surpreendente. Tanto que eu engravidei, sim eu tenho uma filha piracicabana, ou pra quem quiser, paulista.
Aqui em Piracicaba eu aprendi a dirigir nas piores ladeiras do mundo (ta que eu ainda morro o carro, mas ta valendo), tive certeza que preconceito racial e distrital anda existem (mas to pouco me lixando), tive certeza que fazer amigos de verdade é mais difícil do que se imagina.
Descobri o que realmente é inverno, pq 4 graus é pros fortes. Também descobri que privacidade faz bem. Aquela parada dos vizinhos participando ativamente da sua vida que tem no Rio, aqui não rola. As pessoas até notam, mas não comentam, o que muitas vezes te da a sensação de que não há com quem contar, mas acaba sendo bom.
As pessoas não são disponíveis no geral, não te dão as coisas mastigadas, quando vc pede ajuda elas falam exatamente o que vc precisa fazer pra conseguir o que precisa (na verdade criam em vc um senso de orientação e de organização), se vc realmente quer corra atrás (difícil essa adequação pra cariocas).
Aqui é calor pra cacete. Sim, tem dias que faz mais calor que no Rio, sem uma brisinha, quase sem árvores. Isso é duro!
Para criar crianças aqui é bom. Tem bastante maneiras de lazer com elas. Parques, áreas abertas, locais de exercícios, basta garimpar. Ah, também tem o rio Piracicaba! Que lindo! Charmoso, imponente e o cartão postal que os piracicabanos exibem com prazer quase que de "Cristo Redentor", mas ta valendo pq é lindo.
Porque eu resolvi escrever isso? Além da insônia eu quero agradecer a Deus pela oportunidade de poder viver aqui, uma cidade bem mais tranquila e com um potencial enorme. Quero dizer também que não existe lugar melhor ou pior. Nasci no Rio de Janeiro, amo minha cidade, sei q ela tem coisas que em nenhum local tem, mas morar fora me fez perceber que amor é amor. Não importa onde vc more ou onde vc nasceu, quem faz o lugar somos nós.
Estou nesses dias em especial com muitas saudades da minha cidade, do meu povo, da minha língua (sim apesar de todos falarmos português, cariocas e piracicabanos possuem dialetos próprios), saudades e saudades.
Mas não posso deixar de dizer que vir pra Piracicaba foi uma das melhores escolhas que fizemos e que voltar pro Rio de Janeiro, por enquanto será em datas comemorativas, nas férias e quem sabe um dia de acordo com as curvas oferecidas pelo destino.
Obrigada Piracicaba!

Vê.


2 comentários:

Paula Gomes disse...

Verônica, me identifiquei com diversos pontos que você abordou no seu texto. É interessante isso: somos cariocas exiladas em pontos diferentes do nosso país, mas temos visões coincidentes.

Concordo que seja muito difícil fazer amigos de verdade. O fato de Brasília ser uma cidade de gente muito fria não facilitou em nada para mim. Até hoje, não consegui fazer amigos fora do circuito trabalho-academia. E olha que já são 5 anos aqui.

Também sinto várias saudades do Rio: saudade de tomar mate em qualquer lanchonete, saudade da cor da minha pele quando eu tinha o hábito de andar na rua (porque em Brasília quase não se anda na rua), saudade dos meus pais, saudade de vários amigos, saudade das nights na Lapa, saudade das feijoadas da Família Portelense, saudade do cheiro do mar, saudade do deslumbre que é a nossa cidade, saudade da espontaneidade e do calor humano dos cariocas.

Não há cidade como o Rio em lugar algum no mundo. Isso é certo. Concordo com mais um ponto que você levantou: a gente faz o lugar. Apesar de algumas dificuldades, posso dizer que sou feliz aqui. Eu, meu marido, nosso cachorro temos uma vida que me traz muita paz e muitas alegrias. E acho que assim será, não importa onde estejamos.

Daione Gomes disse...

Amiga,também sinto saudade de escrever. Talvez siga seu exemplo qq hora dessas. meu blogue tb tá largado as traças.kkk
Que bom que vc voltou!
Bjs